SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO

SANTO PADRE


Por Givaldo Calado de Freitas

Hoje, exatos dois anos da eleição em que se escolheria o primeiro Papa latino-americano, o primeiro Pontífice do Hemisfério Sul, o primeiro Papa não europeu e o primeiro Pontífice do novo mundo.

Hoje, exatos dois anos que, na Capela Sistina, se ouvira do Cardeal Bergoglio, porque a ele perguntado: “Eu sou um pecador, confiando na misericórdia e paciência de Deus, no sofrimento, aceito.”.

Hoje, exatos dois anos que, da sacada central da Basílica de São Pedro, o mundo, ansioso, ouvira “Habemus Papam!”.

Hoje, exatos dois anos que, da sacada central da Basílica de São Pedro, o mundo ouvira de seu novo Papa: “Irmãos e irmãs, boa noite! Vós sabeis que o dever do Conclave era dar um Bispo à Roma. Parece que os Irmãos Cardeais tenham ido buscá-lo quase ao fim do mundo... Eis-me aqui.”

Seu nome: Francisco. “Por que Francisco?”. Ouvi de muitos essa pergunta. Em mais de dois mil anos nunca tivemos um Papa com esse nome. Por que Francisco? Que lógica levara o Cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio a escolher esse nome? Alguns me diziam: “Coisa de argentino”. Outros: “Feio para um Papa carregar esse nome.”. Para nós, brasileiros, nome de periferia. Dos arredores das cidades”. “Não tem nada a ver. Francisco?” E por aí diziam. E diziam...
Aos poucos, comecei a ouvir referências em sentido contrário. De alegria ao nome escolhido. De apoio ao antes Cardeal de Buenos Aires pela escolha de seu nome papal. E isso, pouco a pouco, na medida em que se sabia mais um pouco... e mais um pouco de sua vida desde a sua juventude.

Papa Francisco - 266º sucessor de Pedro é um homem cuja fé foi construída “com base no que aprendeu com uma camponesa italiana, uma mulher que enfrentou um regime ditatorial, emigrou para uma terra estrangeira, cuja família foi à falência” - disserta Mark Shriver, que vai a fundo sobre a vida de Jorge Mario Bergoglio, e, em particular, sobre sua avó, Rosa.

Austen Ivereigh descreve a morte de Rosa em sua biografia sobre o Papa Francisco. Diz ele: “Ele a adorava, ela era o ponto fraco dele”. 


Eu próprio já estava me convencendo que deveria ser outro o nome a ser adotado por Jorge como o 266º Papa da Igreja de Cristo. Aos poucos, contudo, comecei absorver e, mais que absorver, a aplaudir a escolha. Eu e, hoje, tenho certeza, o mundo. Porque sua vida anterior ao papado. Porque sua vida nesses dois anos de papado nos faz lembrar São Francisco de Assis. O exemplo que São Francisco de Assis deixou para o mundo, a ponto de ser tido por muitos como a maior figura do cristianismo desde Jesus. E era desse exemplo. Do exemplo de São Francisco de Assis que o mundo estava a precisar. 

* Figura pública. Advogado de empresas. Empresário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário