Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

PESQUISADOR DE GARANHUNS VAI AO LOCAL DA MORTE DE LAMPIÃO PARA HOMENAGEAR SOLDADO MORTO

Por Junior Almeida

Em 28 de julho de 1938, quando na Grota do Angico, município de Poço Redondo, Sergipe, as tropas de policiais volantes comandadas pelo tenente João Bezerra da polícia alagoana mataram Lampião, Maria Bonita e mais nove cangaceiros, uma única baixa foi contabilizada pelo lado da força: o soldado Adrião Pedro.

Começava ali o início do fim do cangaço no Nordeste, esse período sangrento e triste da história do Brasil, que acabou de vez dois anos depois com a morte do sicário Corisco, esse morto na Bahia. Com o passar do tempo Angicos virou local de visitação para os curiosos, que queriam conhecer o lugar em que o maior de todos os cangaceiros se escondia e terminou seus dias.

Entre as pedras da grota o irmão de Lampião, João Ferreira, tratou de colocar uma cruz de madeira em homenagem aos que morreram em combate (para muitos um massacre) e depois o próprio João Bezerra, oficial comandante da ação, mandou fazer em Piranhas, Alagoas, uma grande cruz de metal com mais dez cruzes pequenas afixadas nela, simbolizando os onze cangaceiros mortos. Alguns anos depois, misteriosamente essa cruz sumiu de Angicos, mas, outras foram colocadas pela prefeitura local, também em honra aos bandidos.

E Adrião Pedro, o soldado que morreu na ação cumprindo seu dever? Nada, nenhum tipo de homenagem foi feita ao guerreiro. Inconformado com isso, em 2012 o pesquisador garanhuense Antônio Vilela, que tem vários livros sobre a temática cangaço, resolveu agir para que Adrião fosse lembrado. Junto com outros estudiosos foi até Sergipe e fixou no local uma cruz e uma placa, para lembrar aos visitantes que ali tombou sem vida um militar em ação.

Esse ano, assim como aconteceu com a primeira cruz de metal no passado, tanto a cruz como a placa colocadas por Vilela no local, desapareceram misteriosamente. Foi no dia em que foi celebrada a missa pelos 78 anos daquela hecatombe. É como se alguém se incomodasse com as homenagens ao militar, pois no dia do ano em que mais Angicos recebe mais turistas, foi que a cruz e placa desapareceram.


Perseverante, o professor Vilela mais uma vez vai até o estado vizinho para recolocar placa e cruz no local da morte do soldado. Ele vai junto com alguns companheiros do grupo de escritores e estudiosos Cariri Cangaço, que esse ano inclusive divulgou uma nota de repúdio contra o ato de vandalismo. A aposição da cruz e da placa na Grota de Angico vai acontecer às 11 da manhã do próximo sábado dia 29. 

*Colaboração de Manoel Severo, Fortaleza CE, Jorge Remígio, João Pessoa PB e Sávio Siqueira, São José do Egito, PE. Fotos: 1; os pesquisadores João de Souza Lima e Antônio Vilela quando colocaram a primeira placa em Angico. Fonte Blog Cariri Cangaço. 2; João Ferreira, irmão de Lampião. Fonte Revista O Cruzeiro. 3; cruz de metal feita pelo tenente João Bezerra. Fonte Blog João de Souza Lima. 4; Placa desse ano. Fonte Antônio Vilela.

3 comentários:

  1. Marcos Antônio Ramos27 de outubro de 2016 12:30

    Gostaria de me fazer presente nesta homenagem ao meu companheiro da PM/AL e ajudar na fixação da placa.

    ResponderExcluir
  2. Isso só significa que a adoração por bandidos no Brasil é algo cultural e mais do que isso é quase sagrado. E isso se reflete inclusive na política, até os dias atuais. Quanto mais safado, pilantra e vagabundo uma canalha é, mais o povo chama o pilantra de DOTÔ, e vota nele, e puxa o saco, e da tapinha no ombro, e se o pilantra dá alguma esmola aí os trouxas dizem: "este é o OMI".

    Nas escolas do ensino fundamental e médio deveria haver uma disciplina chamada VERGONHA NA CARA, por que o brasileiro principalmente a maioria de nós pobres, está nascendo, crescendo e morrendo sem saber do que se trata. Vendendo voto, caçando boquinhas em cargos comissionados, pagando e recebendo propina, e etc...

    ResponderExcluir
  3. Parabéns a esse ato de cidadania do professor Vilela.
    Se tirarem essa placa e essa cruz de novo, deveriam fazer uma campanha de arrecadação e CONSTRUIR UMA CRUZ DESSA VEZ INDESTRUTÍVEL de 10 toneladas, em AÇO INOX recheada de CONCRETO, para ver se essas viúvas de bandidos iriam lá remover novamente.

    ResponderExcluir