segunda-feira, 20 de outubro de 2014

CAMELO REJEITA AÉCIO E DILMA

Do dirigente do PSOL em Garanhuns, Paulo Camelo:
Estamos diante de um falso dilema entre à Direita Autêntica, ora representada pelo candidato a Presidente, Aécio Neves, do PSDB, e a Falsa Esquerda, ora representada pela candidata  a Presidente, Dilma Rousseff, do PT.
A campanha pelo voto útil em Dilma Rousseff, aumenta de intensidade sobre os militantes e eleitores da esquerda anti-capitalista. Sob  pressão de uma vitória eleitoral incerta, a direção do PT assumiu um discurso apelativo no melhor estilo da Direita Juramentada.
Nas relações interpessoais a ingenuidade é uma forma de desafogar  o estresse e levar a vida com mais leveza. Mas, na política a ingenuidade é fatal.  Em Garanhuns, a ingenuidade de parcela considerável dos eleitores, os leva a sempre votarem  na Legião Estrangeira, perdendo representação política nos parlamentos estadual e federal, como também no governo municipal. 
NÃO É VERDADE QUE A ÚNICA FORMA DE LUTAR CONTRA AÉCIO E O PSDB, É VOTANDO EM DILMA, DO PT.
Dilma não corre o risco de ser derrotada pela posição de anulação do voto da oposição de esquerda. Dilma corre o risco de ser derrotada por si mesma, ou melhor, pelo que fez, e por aquilo que o PT não fez nos últimos doze anos.
Não nos enganemos. A verdade nua e crua é que há vários pontos em comum nos Programas de Dilma, do PT,  e de Aécio, do PSDB. As políticas sociais compensatórias, as quais foram iniciadas no governo FHC, do PSDB, através do Programa Comunidade Solidária (Bolsa Escola; Vale Gás; etc), foram aprimoradas no governo do PT através da Bolsa Família. Considerando o enorme lucro dos Bancos no governo do PT, comenta-se popularmente a criação, não oficial, da “Bolsa Banqueiro”.
Não é a toa que os juros estão alto e que há indicativo  de aplicação de medidas de ajuste fiscal para combater a inflação, com redução de gastos e superávit fiscal ainda maior.
O alarmismo disparado pelo PT,  tenta nos fazer  acreditar  que Aécio seria do mal, Dilma seria do bem. Aí de nós, se não votarmos no mal menor. Essa campanha de dramatização é despolitizante. O apelo emocional ao voto útil é muito eficaz, mas diminui o significado da disputa política. Na Democracia Burguesa, sempre assistimos a este espetáculo bizarro, cuidadosamente encenado pelos atores da Burguesia, PT e PSDB, em que se cria um clima político irracional, em que a esquerda é convidada a regredir a uma infantilização política. Portanto, a encenação procura transformar a disputa eleitoral como se fosse um “Pastoril”, ou seja, numa disputa entre o cordão azul e o vermelho, para animar a população.
O normal seria o PSDB de Aécio, fazer da dramatização sua arma política, mas o que assistimos é o contrário, ou seja, o PT, de Dilma, outrora de esquerda, fazer toda essa dramatização e despolitização.
Aécio, não é um candidato comprometido com a transformação da sociedade brasileira. Mas, o PT, também não faz por onde representar essa transformação por uma Sociedade mais Justa, Igualitária e Socialista. 
O segundo turno é um aprendizado. É preciso saber lutar e diagnosticar a conjuntura política nacional. A crítica deve ser política, demonstrando quais são os interesses de classe que Aécio e Dilma, defendem. Ambos são porta-vozes das reivindicações do capital: por isso a exigência de menos impostos e o silêncio diante da proposta de taxação das grandes fortunas. O PT  e o PSDB, governam  em colaboração com as Classes Dominantes do país.
Nesses últimos doze anos, o PT que outrora defendia os interesses dos trabalhadores, foi mais eficaz na defesa do Capital, do que o próprio PSDB. Esse foi o papel lamentável dos governos liderados pelo PT nos últimos doze anos. Por isso Lula se transformou em uma coqueluche mundial e recebeu o apoio dos governos mais reacionários do planeta. Porque foi o governo que garantiu a estabilidade social no país que foi, nos anos oitenta, o campeão mundial de horas de greve.
Não podemos cometer o erro de escolhermos o carrasco menos cruel, ora imposto pela Democracia Burguesa.
Eleitoralmente, as massas se mobilizam no terreno das ilusões. Por isso o voto em Lula em 1989, e em 2002, tinha uma função de aprendizado e de dialogar com a população no terreno das ilusões. Mas, agora a ilusão passou, porque o PT não rompeu com o programa neoliberal de ajuste dos governos de Fernando Henrique Cardoso.
Depois de doze anos, nossa responsabilidade nos impede de votar novamente no PT. Afinal, o PT é aliado de carteirinha de Renan, Maluf e Sarney. Afinal, o capitalismo brasileiro não tem porque temer o PT.
Esta eleição não é uma disputa entre o capital e o trabalho. São dois projetos idênticos de gestão do capitalismo, os quais um será vencedor em 26 de outubro de 2014.
O papel dos socialistas é combater a perigosa ilusão de que é possível regular o capitalismo. A história vem demonstrando de maneira trágica que não é possível. Os mercados não aceitam ser limitados pela via da negociação.
A população de esquerda que decidir  votar  em Dilma, mesmo que na forma de voto crítico, para derrotar Aécio, deve se perguntar como vai se sentir quando for anunciado o primeiro pacote de ajuste fiscal em 2015. Vai se arrepender e, infelizmente, ficar  frustrado. A frustração tem um custo alto para a esquerda. Portanto:
NEM O PASSADO COMO ERA, NEM O PRESENTE COMO ESTÁ.
SÓ A LUTA NOS LEVA AS CONQUISTAS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário