ALEPE

ALEPE
ALEPE

quinta-feira, 24 de julho de 2014

ALCEU VALENÇA DESTACA A IMPORTÂNCIA DE ARIANO

O Brasil inteiro está homenageando Ariano Suassuna. Ele, que foi reconhecido em vida, integrando a Academia de Letras de Pernambuco, a Academia Brasileira de Letras, sendo tema de desfile de escolas de samba no Rio e em São Paulo, tendo muitas de suas obras adaptadas para o cinema e televisão, está neste momento sendo tão reverenciado como foi Jorge Amado, Érico Veríssimo, Luiz Gonzaga, Dominguinhos e outros ícones da literatura e da música brasileira.

O ator Matheus Nachtergaele, que viveu o João Grilo no “Auto da Compadecida”, filme dirigido por Guel Arraes, escreveu uma carta que está fazendo sucesso nas redes sociais.

No Palácio das Princesas, neste momento, é grande o movimento de pessoas que comparece ao velório para se despedir de Ariano. Muita gente veste a camisa do Sport. Inclusive as netas do escritor ostentam o vermelho e preto do Leão da Ilha.

Ariano Suassuna será sepultado no cemitério Morada da Paz, em Paulista e no caixão três bandeiras foram colocadas: a do Brasil, a de Pernambuco e a do Sport.

Alceu Valença, cantor e compositor de São Bento do Una, também confessou hoje ser um admirador e discípulo do autor do Pedra do Reino. Eis o texto do artista postado em seu Facebook:

"Comecei a me interessar por literatura na adolescência. Meus mentores foram meus tios Lívio, que me apresentou Fernando Pessoa, e Geraldo, que me falou pela primeira vez de Ariano Suassuna. Quando ingressei na faculdade, passei a frequentar o Teatro Popular do Nordeste, do qual ele foi um dos fundadores ao lado de Leda Alves e Hermilo Borba Filho. Assisti às gargalhadas O santo e a porca, entre outras peças do autor paraibano. Ali descobri que o regional podia ser universal. Do figurino à interpretação dos atores, tudo representava o sertão profundo num contexto abrangente e contemporâneo. Seus tipos, suas histórias, seus cantadores remetiam a Taperoá dele e a minha São Bento do Una, ambas povoadas por aboiadores, cordelistas, violeiros, loucos sonhadores e contadores de histórias. Era o surrealismo ibérico, brasileiro e nordestino in natura.
Posteriormente, Ariano criou o Movimento Armorial, que parte das mesmas premissas - o regional como universal, e que reivindicava o direito de vilas, cidades e aldeias se expressarem sem a obrigatoriedade de ser hollywoodiano ou anglófono. Como ele mesmo gostava de dizer, não troco meu oxente pelo OK de ninguém. Ariano jamais sofreu do complexo de cachorro vira-latas que parte da nossa intelectualidade comunga. Anos depois, homenageei um de seus personagens mais queridos, João Grilo, o anti-herói de O auto da Compadecida, em minha música Que grilo dá: 'Me chamam cobra cascavel / Sou João Grilo, menino traquino que grilo que dá / Cancão de Fogo, Viramundo, Malasarte / Sou o riso e o desastre do meu Brasil popular'.
Três dias antes de ele ser hospitalizado, pesquisando na internet, o acaso me levou a encontrar o link com um trecho de uma aula-espetáculo ministrada por ele e o compartilhei no Facebook. A repercussão foi incrível. Comentários e mais comentários em saudação reverente ao mestre. Meu filho Rafael, de 13 anos, e seu colega de escola, Alexandre Carneiro, ficaram encantados e, assim como eu, se tornaram seus fãs. Sua obra não tem idade e segue na embolada do tempo: 'o tempo em si, não tem fim não tem começo, mesmo virado ao avesso não se pode mensurar'. Ariano é eterno em sua irreverência, profundidade, sabedoria e universalidade."

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou agora há pouco que a presidente Dilma Roussef virá para o Recife. Ela desembarca no começo da tarde, na capital pernambucana, comparece ao velório e acompanha a saída do corpo de Ariano para o cemitério de Paulista. 

(Foto de Ariano: Jornal do Commercio; Foto de Alceu Valença: Facebook do cantor).

Quatro frases de Ariano Suassuna:
O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso.

A massificação procura baixar a qualidade artística para a altura do gosto médio. Em arte, o gosto médio é mais prejudicial do que o mau gosto... Nunca vi um gênio com gosto médio.

Arte pra mim não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa.

Eu digo sempre que das três virtudes teologais chamadas, eu sou fraco na fé e fraco na qualidade, só me resta a esperança. Eu sou o homem da esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário