quarta-feira, 30 de outubro de 2013

POLÍCIA PRENDE FUNCIONÁRIOS QUE DESVIARAM R$ 500 MILHÕES NA PREFEITURA DE SÃO PAULO

Pousada de um dos milionários 
que vinham roubando a prefeitura

Quatro ex-funcionários da Prefeitura de São Paulo foram presos hoje acusados de um desvio milionário que pode chegar a pelo menos R$ 500 milhões. O Ministério Público comprovou um rombo de R$ 200 milhões ao longo de três anos. Mas a prefeitura estima que a fraude chegue a R$ 500 milhões pelo tempo em que o grupo atuou no esquema desvendado.

A operação, realizada hoje de manhã e apelidada de "Necator" (um tipo de parasita) pela prefeitura, tem potencial explosivo: iniciada pela administração de Fernando Haddad (PT-SP), ela atinge em cheio a cúpula das finanças da gestão de seu antecessor, Gilberto Kassab (PSD-SP). Ele é aliado de Dilma Rousseff no governo federal. A operação faz parte da ação 'Acerto de Contas', que será implementada por Haddad.

Um dos acusados das supostas falcatruas é o ex-subsecretário da Receita Municipal Ronilson Bezerra Rodrigues. Outro é Eduardo Barcelos, diretor de arrecadação do mesmo órgão. Eles eram da equipe do secretário Mauro Ricardo, de Finanças. Os outros presos são Carlos Augusto Di Lallo Leite do Amaral, ex-diretor da divisão de cadastro de imóveis e o agente de fiscalização Luis Alexandre Cardoso de Magalhães.

Os funcionários são acusados de integrar uma quadrilha que recebia propina de grandes construtoras para fornecer a elas certidões de quitação de ISS (Imposto Sobre Serviço) sem que pagassem tudo o que era devido.

O documento precisa ser emitido para que as construções obtenham o habite-se da prefeitura.

O grupo se reunia em um escritório a 300 metros da sede da prefeitura, no centro, apelidado de "ninho".

PATRIMÔNIO

De acordo com a investigação, os quatro servidores teriam amealhado um patrimônio que, somado, chegaria a R$ 100 milhões. Ele seria formado por centenas de imóveis em várias cidades do país, além de carros de luxo e contas bancárias no exterior. Alguns são proprietários também de lotéricas.

Entre os bens adquiridos estão apartamentos de luxo, flats, prédios e lajes comerciais, em São Paulo e Santos, barcos e automóveis de luxo, uma pousada em Visconde de Mauá (RJ) e um apartamento duplex em Juiz de Fora (MG).

Na operação desta quarta-feira foram apreendidos com os quatro investigados motos e carros importados, grande quantidade de dinheiro (reais, dólares e euros), documentos, computadores e pen-drives.

Os bens localizados estão em nomes de familiares e de empresas nas quais os acusados figuram como sócios.

O Ministério Público deve enquadrá-los nos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva ou concussão, lavagem de dinheiro e advocacia administrativa. (Fonte: Folha de São Paulo).

4 comentários:

  1. DEPOIS DO INSTITUTO DA REELEIÇÃO DO PODER EXECUTIVO EM TODO O BRASIL,A NOSSA POLÍTICA SOMENTE TEM FORMADO BANDIDOS E PICARETAS. EM SÃO PAULO, PARECE QUE NÃO ESCAPA UM E PELO RESTO DO PAÍS É UMA QUADRILHA SÓ.

    ResponderExcluir
  2. Nunca se robou tanto nesse coitado desse pais como na era PT

    ResponderExcluir
  3. José Fernandes Costa31 de outubro de 2013 23:06

    Esse anônimo destrambelhado e desinformado (das 6h36) do dia 31, deixa bem claro que asnice é coisa de asno. É o óbvio. - Não sabe esse protótipo de asno que os furtos do dinheiro público em São Paulo são do PSDB do Alckmin, do "Cerra" e do Kassab. Esse desgraçado anônimo nunca leu nem um jornal de província.- O PSDB governa o estado e a cidade de São Paulo há 20 anos. - E o tal debiloide vem dizer que os furtos são do PT. - Não sou do PT, nem tenho procuração para defendê-lo. Mas o ódio desses desequilibrados contra os governos petistas irrita qualquer cidadão ou cidadã que enxergue alguma coisa adiante do nariz./.

    ResponderExcluir
  4. Discordo da indagação do senhor José Fernandes costa quando agride o coitado do anônimo. O chefe do esquema de propina da prefeitura de São Paulo foi nomeado por um prefeito do PT, Haddad. A nomeação do auditor RONILSON BEZERRA RODRIGUES(chefe da gangue) à diretoria financeira da SPTrans (empresa municipal de transporte), em fevereiro deste ano, atendeu a uma ordem da Secretaria do Governo, órgão do gabinete do prefeito Fernando Haddad (PT). A informação foi dada pelo atual secretário municipal dos Transporte, Jilmar Tatto, ao esquivar-se de ligação com o auditor preso sob suspeita de liderar um esquema de fraude na prefeitura. RONILSON BEZERRA RODRIGUES, que hoje é diretor, foi chefe da arrecadação municipal durante a gestão de Gilberto Kassab, período em que foram praticadas as fraudes, segundo a investigação. No ano passado, já na gestão Haddad, porém, ele foi nomeado diretor da SPTrans, essa é a verdade, no governo do PT ele foi promovido de um simples arrecadador passou a ser diretor. Por isso, o anônimo está certo.

    ResponderExcluir