Governo Municipal

Governo Municipal
Juntos por uma Grande Cidade

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

sábado, 24 de dezembro de 2011

DOIS LINDOS POEMAS DA NATAL



POEMA DO MENINO JESUS - Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)

Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.
(...)

Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu no primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso e natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão
E olha devagar para elas.

(...)

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

(...)

A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre.
A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado.
O meu ouvido atento alegremente a todos os sons
São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos e dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo o universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do Sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam ?

Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)


PESSOA E BETÂNIA - Caso você tenha gostado deste poema e queira apreciá-lo ainda melhor, clique nas palavras Pessoa e Betânia, em maiúscula. Assim você vai acessar um vídeo do yotube com a cantora Maria Betânia declamando com muita emoção os versos do poeta português. No final ela ainda arrasa com a música "O Doce Mistério da Vida".


POEMA DE NATAL - Vinícius de Moraes

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos -
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será a nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos -
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez, de amor
Uma prece por quem se vai -
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte -
De repente nunca mais esperaremos…
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Um comentário:

  1. Belos poemas, Roberto. Gosta até mais do de Alberto Caeeiro, que é um pseudônimo do Fernando Pessoa. Além da beleza dos versos e da mensagem, há duas coisas relacionadas, a ele.

    Uma é o anonimato em si. Que venho me batendo aqui pela sua importância na política e na literatura da qual o poema em lide é um exemplo. Talvez sem este recurso o Fernando Pessoa não nos deixasse a bela obra do Alberto Caeeiro, do Álvaro de Campos e tantos outros.

    Outra é o site de poesia da Bethânia. Eu não sei se ela conseguiu a quantia absurda de dinheiro que pediu ao setor público para manter este site de poesia. Eu amo poesia e até a cantora Bethânia, mas amo mais ainda um senso de prioridade num país que há um poste na presidência querendo erradicar a miséria.

    Sei que isto é tudo para manter o PT e seus asseclas no poder, e que tudo não passa de uma ilusão, no final das contas, depois servindo para fins eleitorais. Mas, o objetivo em si é válido e merece ser alcançado.

    Mas um Brasil sem miséria é difícil de conseguir enquanto artistas ditos engajados se aproveitarem dos cofres públicos para recitar poesias, quando poderiam fazê-los com recursos absolutamente privados.

    Se a moda pega eu farei um projeto para recitar poesia de cordel, e doar o dinheiro da propaganda do site aos pobres. É uma pena que minha voz é de taquara rachada e a audiência seria mínima mas, seria muito melhor para este país. Espero até que a Bethania tenha se tocado e feito o site sem ajuda pública. Se o fez, minhas desculpas.

    Meu Deus, hoje é dia de Natal, mas nem o Menino Jesus aguentaria ficar caladinho em sua manjedoura.

    Um Feliz Natal para todos.

    Lucinha Peixoto (Blog da Lucinha Peixoto)

    ResponderExcluir