ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

domingo, 15 de agosto de 2010

A MPB VIVE EXILADA NO BRASIL


Recentemente li uma reportagem no Jornal do Commercio sobre as poucas opções de se ouvir boa música popular brasileira nos programas de televisão. Na matéria se mostra que apenas na TV Brasil, na Record News e na Globo, no horário da madrugada, se apresenta alguma coisa que preste. Na faixa nobre e nas emissoras de maior audiência só tem vez o descartável, artistas fabricados pelo esquema das gravadoras. Um cantor entrevistado pelo JC, disse uma frase que merece uma boa reflexão: “A música popular brasileira hoje vive exilada nos seu próprio país”.

Eu era criança nos anos 60, mas lembro que naquela época nas rádios, mesmo no interior, a gente ouvia Chico Buarque, Caetano Veloso, Geraldo Vandré, Gilberto Gil, Maria Betânia, Elis Regina, Jair Rodrigues, Martinho da Vila, Rita Lee, Roberto Carlos e toda turma da Jovem Guarda. Até Bossa Nova tocava.

Nos anos 70 toda essa turma continuou a se apresentar no rádio e na TV e surgiram ou ganharam projeção novos nomes: Ednardo, Fagner, Belchior, Gonzaguinha, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, João Bosco, Ney Matogrosso, Raul Seixas, The Fevers...

Até a década de 80 ainda se ouvia algo de qualidade nas emissoras de rádio e televisão. Os velhos ídolos continuaram atuando e apareceu Marina Lima, Cássia Eller, Adriana Calcanhoto, Marisa Monte, Osvaldo Montenegro, Jessé, Cazuza, Renato Russo, as bandas de rock e pop...

Claro, sempre teve muita coisa ruim. Os bregas, os falsos estrangeiros, o forró descaracterizado e os deturpadores da boa música sertaneja de Tonico e Tinoco, Cascatinha e Inhana, Pena Branca e Xavantinho, etc.

A situação foi piorando ao longo dos anos 90 e na década atual chegamos a essa pobreza atual, com as rádios, o Silvio Santos, o Faustão e a maioria dos comunicadores só promovendo o descartável, gente miando e fingindo cantar, letras sem nenhum conteúdo, uma coisa realmente lamentável. Como disse o artista que não anotei o nome: a MPB realmente foi exilada no próprio país.

Aqui em Garanhuns mesmo, tirando os programas regionais na Marano, Sete Colinas e Rádio Jornal, só sobra mesmo a insistência do Jonas Lira, mantendo no ar o 100,5 Brasil, o Travessia e agora, ao meio dia, um programa abrindo espaço para bons artistas do Nordeste.

Faz pena ver essas novas gerações sem noção da importância de Luiz Gonzaga, Quinteto Violado, Novos baianos, os cearenses, Os Mutantes, Cazuza, Renato Russo, João Gilberto, Clara Nunes, Alcione... Tanta gente boa, vozes maravilhosas, pesquisadores, poetas, compositores inspirados retratando o Nordeste e o Brasil.

Quem conhece um pouco as coisas, tem alguma informação, não pode se entregar. Deixar que apaguem de vez a beleza e trocem a arte pela mercadoria.

Pessoalmente, pretendo continuar lutando com minhas armas. Um pouco de conhecimento e sensibilidade, preocupação com a história, a cultura e a estética. Minha cabeça e o computador estão a serviço do substantivo e não da ignorância.

Por isso nasceu a série Grandes Nomes da MPB, que não relata simplesmente a história de artistas ligados ao meu gosto pessoal. São cantores, compositores e intérpretes que produziram e produzem uma música rica, bonita, perene. Uma música que até europeu gosta de ouvir.

Não importa que alguns preconceituosos, pessoas sem um mínimo de informação ou cultura só vejam em Ney Matogrosso, Cássia Eller ou Zélia Ducan figuras andróginas, homossexuais que se pudessem eliminavam da face da terra. Não. Essas mentes pequenas em nenhum momento ofuscam o time de estrelas da Música Popular Brasileira que é respeitado na maior parte do mundo. Eles podem até estar exilados em seu próprio país. Pelos donos da mídia, pelos alienados e pelos mercenários. Mas sempre haverá pessoas capazes de separar o joio do trigo e reconhecer o valor de Djavan, Zeca Baleiro, Chico César, Vanessa da Mata, Vander Lee, Isabela Taviani e muitos outros capazes de furar o cerco. E levar sua poesia, suas vozes, muito além das fronteiras das trevas estabelecidas pelos estreitos e reacionários.

3 comentários:

  1. Roberto, não deixe que este artigo se perca na descartabilidade do blog. Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. CARO ROBERTO:
    NA 87,9 TAMBÉM EXISTE UM PROGRAMA REGIONAL E COM A MELHOR SELEÇÃO DE FORRÓ DE GARANHUNS. COMEÇA ÁS 18 HORAS. O LOCUTOR NÃO É BOM, MAS A SELEÇÃO MUSICAL É LEGAL. CONCORDO COM VOCÊ, ESSES PRODUTORES MUSICAIS DAS RÁDIOS DE GARANHUNS, DEIXAM MUITO A DESEJAR. SÃO RUINS!! PRINCIPALMENTE O P.A (PAULO NÃO SEI DO QUÊ...)ÀQUELE QUE ERA DA ESTAÇÃO SAT E AGORA É O PROGRAMADOR MUSICAL DA 87,9. É DE ENOJAR O PROGRAMA DE RAMOS NETO COM ÀQUELAS BANDAS, SEM NENHUMA MUSICALIDADE, MELODIA E ETC, ETC E ETC...
    O P.A, ESTÁ PREJUDICANDO O SHOW DO RAPAZ.
    FERNANDO LIMA - RUA JÚLIO BRASILEIRO 1022- HELIÓPOLIS - GARANHUNS -PE.

    ResponderExcluir