Colégio Diocesano de Garanhuns

Colégio Diocesano de Garanhuns
Colégio Diocesano de Garanhuns

Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Governo de Pernambuco

MINISTÉRIO PÚBLICO PEDE A CONDENAÇÃO DA EX-PRIMEIRA DAMA DE TAMANDARÉ


O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) protocolou suas alegações finais na ação que julga Sari Corte Real (ex-primeira dama de Tamandaré)  na 1ª Vara dos Crimes Contra Criança e Adolescente da Capital. 

Sari foi acusada pelo Ministério Público de abandono de incapaz quando, em 2 de junho de 2020, deixou o menino Miguel, de 5 anos, sozinho no elevador do prédio de luxo, na área central do Recife. Na manifestação, o Ministério Público pede a condenação pelo crime de abandono de incapaz, qualificado pelo resultado morte. 

O Promotor de Justiça entendeu ainda que existem circunstâncias agravantes, pelo fato de o crime ter sido cometido em momento de calamidade pública. No dia da morte da criança, a creche que Miguel frequentava estava fechada em razão da pandemia de Covid-19 e a mãe, Mirtes Renata, precisou levar o filho até a casa de Sarí, onde trabalhava como empregada doméstica. Sarí pode pegar até 12 anos de prisão, se for condenada. 

"Apenas pelas idades, dela e da criança, já seria natural esperar um comportamento diferente da acusada, pois naquele momento, não apenas convencer e demover a criança de seu intento seria o esperado, mas sim remover a criança do elevador e conduzi-la em segurança de volta ao interior do apartamento ou seguir com ela no elevador ao encontro da mãe. O que não poderia ter acontecido era o abandono da criança no interior de um elevador", afirma o Promotor de Justiça. 

O Ministério Público também não considerou aceitável que um adulto se sujeite às vontades de uma criança que não tinha condições de seguir no elevador desacompanhado, deixando-o conduzir a situação.

*Fonte: Diário de Pernambuco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário