sábado, 16 de novembro de 2019

PESQUISA MOSTRA FORÇA DE LULA EM GARANHUNS



Pesquisa realizada em Garanhuns,  neste mês de novembro, revela impressionante prestígio do ex-presidente Lula no município.

Nada menos de 73% dos eleitores da cidade admitem votar para prefeito num candidato apoiado pelo petista.

Nem mesmo Izaías Régis, que administra o município há oito anos,  tem esse peso junto ao eleitorado.

Lula ficou preso em Curitiba 580 dias, mas de acordo com o resultado da pesquisa,  a qual o blog teve acesso,  não teve sua imagem abalada em Garanhuns.

Na prática, grande parte dos garanhuenses não acredita que o ex-presidente é culpado dos crimes dos quais foi acusado. Caso contrário, não teria tanta força.

Lula, Dilma e Fernando Haddad tiveram votações expressivas em Garanhuns e tudo indica que continuarão fortes na cidade, assim como nos distritos e toda zona rural.

Agora, se um candidato a prefeito mais à esquerda vai conseguir capitalizar o prestígio do ex-presidente e seus aliados, aí já é outra questão.

2 comentários:

  1. Esta aceitação popular é tão forte não somente em Garanhuns,mas em todo o Brasil principalmente quando o presidente eleito hoje está explodindo o seu próprio partido o PSL com brigas e mais brigas,com denúncias e mais denúncias,entretanto,a eleição municipal é outra história. Serve de bússola para que os candidatos a vereadores e a prefeito possam tentar tirar proveito político.

    Eu tenho me debruçado a analisar o voto dos brasileiros nas cidades todas do Brasil.Votaram muitíssimo bem em Lula e Dilma nestes 13 anos de gestão petista. Aprovaram as administrações,mas quando chega nas bases municipais os eleitores não votam nos candidatos a vereadores e a prefeito do PT.

    A razão lógica é que todos os dois lados ou três lados todos fizeram questão de tirar fotos com o Lula e Dilma abraçados.0 exemplo clássico foi a votação do Professor Fernando Haddad.Em minha cidade teve mais de 6.500 votos enquanto o presidente atual teve apenas 927 votos.

    A única mudança verdadeira que aconteceu nessa minirreforma aprovada em 2019 foi o fim das coligações proporcionais,isto é,para vereadores.Quer dizer que cinco partidos podem se coligar para prefeito,mas não podem se coligar para vereadores.

    Isto quer dizer também que aqueles candidatos para cumprir apenas tabela não tem mais sentido para o partido. Cada partido pode lançar o dobro das vagas a serem preenchidas.

    Ai vem o quociente eleitoral. Numa cidade como Lagoa do Ouro e na grande maioria delas que tem 9 vereadores poderão lançar 18 candidatos sendo 70% de homens e de 30% de mulheres,ou seja, 13 homens e 5 mulheres.0 partido ou os partidos precisam formar chapas competitivas e não apenas para cumprir tabela.

    Por exemplo: suponhamos que votem na legenda e nos partidos para vereadores 7.000 votos.Divide-se o total de votos que é dado a todos os partidos com suas legendas por 9 vagas.Isto daria um quociente de 777,77.Despreza-se a parte decimal e considera-se quociente eleitoral de 777 votos. 0 partido para eleger um vereador precisa ter 777 votos.


    Numa cidade do tamanho de Garanhuns. Suponhamos que 25.000 eleitores votem com os votos de legenda.Divide-se pelas possíveis vagas em torno de 15 vagas. Divide-se o total de votos dados a todos os partidos com os votos dados na legenda. 25.000 por 15= 1.666,66.Despreza-se a parte decimal e arredonda para 1.666 votos. 0 partido para eleger um vereador precisa ter 1.666 votos.

    A disputa voto a voto será entre os candidatos a vereadores do que mesmo entre os candidatos a prefeito.

    Em Garanhuns existe um grau maior de politização quando a maioria dos partidos já lançaram os candidatos a prefeito justamente para trazer para as suas fileiras o maior número de candidatos a vereadores e com condições financeiras para financiarem suas próprias candidaturas. Será certamente uma preocupação a mais de todos os possíveis candidatos a prefeitos e a vereadores.

    Eu gosto de citar o exemplo cuja experiência negativa eu passei em 1996.Em 1995 foi aprovada a minirreforma política que dizia no parágrafo segundo que os partidos coligados poderiam laçar 200% das vagas a serem preenchidas. Isto daria na época 27 candidatos.Naquele ano já existia 30 candidatos a vereadores do lado do prefeito Marquidoves.

    Em 1996 quando já teria passado o prazo de filiação partidária o PDT questionou via liminar o parágrafo segundo.E o TSE acatou a liminar e derrubou esse parágrafo.

    Ficou valendo a regra antiga que os partidos coligados poderiam lançar 150% das vagas a serem preenchidas. Na época daria 22 candidatos.Como a maioria dos candidatos não queriam se filiar no PSDB de FHC e somente eu e Gêu fomos para o PSDB e quando foi aprovada a liminar os partidos ao lado do prefeito Marquidoves tiveram que lançar candidatos individualmente. 0 PFL elegeu 6 vereadores,o PP elegeu 3 vereadores e o PSDB do prefeito eleito Júnior Marques não consegui eleger nenhum. Tivemos juntos 449 votos.Eu tive 290 votos e Gêu 150 votos.Mas o quociente eleitoral foi de 640 votos. Votaram nos candidatos e votos de legenda 5.760 votos.

    ResponderExcluir
  2. 0 Lula até hoje nunca se intrometeu em duas eleições paroquianas: Caetés e Garanhuns. Em Caetés quase todo mundo era Lula e em Garanhuns a maioria dos grupos políticos sempre foram o Lula.Mesmo preso o Lula não perdeu sua forma de se comportar em eleições municipais cujos os dois lados tiveram respeito ao mestre que provou que a constituição foi rasgada,jogada no lixo por 5 juízes do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.Este sim é a razão do Lula está solto.A verdade venceu a mentira do ex-juiz Moro e do procurador Deltan Dallagnol com o seu powerpoint mentiroso e criminoso.

    ResponderExcluir