segunda-feira, 11 de novembro de 2019

BETÂNIA: CIDADE ESTÁ BONITA, MAS FALTA REMÉDIO NO PSF


“A cidade está bonita, é verdade. Mas nos postos de saúde da prefeitura estão faltando remédios básicos e ninguém mais pode fazer um exame. Está proibido adoecer em Garanhuns, pelo menos até quando passar o natal”.
Desabafo foi feito pela vereadora Betânia da Ação Social, para quem a cidade está um caos, principalmente na área da saúde.
Parlamentar faz questão de deixar claro não ser contra a festa natalina, que embeleza alguns pontos do centro e de Heliópolis, atrai turistas e aquece a economia.
A seu ver, no entanto, é preciso manter setores essenciais, como saúde, educação e assistência social, funcionando a contento.
“A verdade tem de ser dita, até porque eu, como vereadora, recebo reclamações diárias da falta de remédios e de exames, da precariedade das escolas e da falta de sensibilidade com o social”, pontuou Betânia.
Ela disse que até mesmo remédios controlados para ansiedade e estresse, como Fluoxetina, estão em falta nos postos de saúde.  “Como se sabe esse tipo de medicamento não pode deixar de ser tomado de vez, pois isso causa sérios problemas à saúde”, esclareceu a vereadora.
Com relação à Magia do Natal, vereadora lamentou ainda que seja realizado somente nas áreas nobres, enquanto a periferia fica esquecida. Ela disse que apresentou na Câmara propostas para que as entradas dos bairros fossem iluminadas e fosse realizado concurso de decoração natalina. “Defendo que todos os garanhuenses sejam incluídos na festa. Não podemos fazê-la só para uma elite e para turista ver. Garanhuns é de todos”, frisou Betânia da Ação Social.

6 comentários:

  1. QUE HORA DESAPROPRIADA PARA UMA PARLAMENTAR FAZER REIVINDICAÇÃO...

    P.S.: - Já me disseram uma vez, mas não sei quem peste foi que: Uma barreira é de ideias, não de coisas...

    ResponderExcluir
  2. Os enfermos não podem esperar o natal passar para tomar remédio, se a representante da ação social na câmara , tivesse a ajuda da representante da saúde seria muito melhor, mais acredito que para ela a saúde vai de vento em poupa.

    ResponderExcluir
  3. Na farmácia Central falta tudo já tem um mês que fui buscar fita pra diabete e nada hoje passei pra pegar material de curativos só tinha ataduras e luvas o resto faltam tudo isso e material básico não tem se querem acreditar até soro e insulina esta faltando

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. A companhando essa sua linha de raciocinio, se faltar carater eu falo com o lula nao e isso?

      Excluir
  5. Dr. Marcos Maciel,Sérgio Guerra,José Jorge de Vasconcelos juntamente com Mão Santa e Heráclitos Fortes do Piaui somaram exatamente 5 votos.Faltaram apenas 4 votos para a CPMF não ter sido extinta em dezembro de 2007.Eram R$ 40 bilhões anuais para a Saúde.Desde aquele ano que a saúde piorou em todo o Brasil.

    0s prefeitos passaram a administrar os poucos recursos vindo do Governo Federal.Todos os prefeitos de todos os partidos foram atingidos em cheio.

    Quando a Dilma quis voltar a CPMF em 2015 os partidos que criaram em 1993 foram contra.PSDB,PMDB,PP,PTB,PFL e hoje DEM tem culpa sim por esses caos na saúde pública.0 próprio Jair Messias Bolsonaro que votou a favor em 1993 e em dezembro de 2007 votou contra hoje sente na pele a falta de recursos para a saúde pública do Brasil.


    Dr ADIB JATENE quando o PSDB partido dele votou contra fez uma ressalva: "foi o maior erro do meu partido. Não se faz saúde pública com pouco dinheiro e sim com muito dinheiro".

    Eu votei em Marco Maciel,Sérgio Guerra e José Jorge de Vasconcelos e não gostei quando eles votaram contra.0 Lula na época ainda propôs uma alíquota de 0,20% e mesmo assim eles votaram contra. Sei que o PT errou quando votou contra em 1993,mas errou feio o PSDB que votou contra a CPMF que eles mesmo criaram e aprovaram.A FIESP (a federação das indústrias do estado de São Paulo)_ fora quem mais defendeu o fim da CPMF.Lá a saúde também não vai boa e sente dos mesmos males.Políticos medíocres e sem visão da saúde pública brasileira!

    ResponderExcluir