domingo, 6 de janeiro de 2019

HÁ 80 ANOS VIVIA-SE NOS TEMPOS DAS DILIGÊNCIAS


Por Altamir Pinheiro

Lá se vão oito décadas do filme NO TEMPO DAS DILIGÊNCIAS, que tinha como trama  a narrativa de um bêbado, uma prostituta, uma grávida, um jogador, um banqueiro e um vendedor que atravessam o Oeste americano, dividindo a mesma diligência. Dentre esta turma encontrava-se o jovem JOHN WAYNE(como Ringo Kid)  que o diretor John Ford apostara todas as  suas fichas. Como nos afirma o cinéfilo Antonio Nahud, Esse faroeste é, sem cessar e ao mesmo tempo, uma epopeia trágica e um drama psicológico, uma aventura coletiva e uma série de aventuras individuais, destacando-se entre estas a do fora-da-lei heroico e a da prostituta de bom coração.

Conforme nos confidencia um fã de faroeste,  o médico radiologista de Caruaru-PE, Dr. Joailton, Este gênero já estava dando sinais de cansaço pela falta de inovação, mesmo assim,  o diretor Ford com John Wayne debaixo do braço fez uma romaria procurando produtores, maior do que aquela que os nordestinos fazem para Juazeiro do Norte, para pedir a benção do meu "PADIM PADE CIÇO". Pois não é que, Em 1939, com o filme No Tempo das Diligências protagonizado pelo  grandalhão jovial, John Wayne,  começava ali a mais brilhante carreira de um ator no cinema norte-americano e para sorte nossa, um ator de faroeste. Obrigado por isso, John Ford!!!
A sinopse do filme resume-se a um grupo de nove pessoas que são obrigadas a embarcar em uma perigosa jornada em cima de carruagens através do Arizona, em um território indígena. Sendo levados por cavalos durante bastante tempo, cada um tem o seu motivo pessoal para realizar tal viagem. No meio do caminho eles terão que enfrentar os guerreiros apaches, e contra eles contarão apenas com a ajuda do cowboy Ringo Kid (John Wayne). O grupo de PASSAGEIROS da diligência, todos sem nome, é formado pela esposa de um oficial da Infantaria, um jogador, um vendedor de uísque, um criador de gado e um inglês.

Quando os atores do filme estavam sendo escalados, o diretor John Ford pressionou para que John Wayne entrasse, mas o HOMEM DA GRANA,  o produtor Walter Wanger negou. Foi apenas depois da persistência de Ford que o produtor finalmente cedeu. No tempo das diligências consagrou-se como um dos melhores filmes Western da história. John Wayne em seu primeiro grande papel tornou-se no  divisor de águas para o cinema mundial. Um filme com grandes atuações e um roteiro de 1° qualidade. Através dessa película aconteceu o  início de uma longa parceria: a primeira das muitas colaborações entre John Ford e John Wayne.

O apurado cinéfilo paulista, Darci Fonseca,  é quem melhor descreve todo o desenrolar do brilhante roteiro, donde  se discute os conflitos entre as diversas classes sociais reunidas numa diligência. SENÃO VEJAMOS: A soberba da jovem Lucy; a cobiça e desonestidade do banqueiro; a altivez e o orgulho do sulista Hatfield derrotado na Guerra de Secessão, que sucumbem à visão de uma dama verdadeira que ele não encontra nos meios em que frequenta. Deles, só mesmo Gatewood é um vilão, seja pelo crime praticado, seja pela doentia superioridade que julga possuir.

A maioria dos passageiros são seres humanos com mais qualidades, como o xerife Curley, cuja experiência o faz acreditar na inocência de Ringo. Peacock, o vendedor de uísque é o menos interessante dos personagens mesmo porque é difícil crer que um homem tão frágil e inseguro rode o Oeste como sua profissão obriga. O simpático e beberrão médico-filósofo Dr. Boone é uma das grandes criações de John Ford, tanto que seria usado em muitos outros filmes do Mestre.

Quanto a  Ringo Kid(John Wayne), o herói da aventura nos conquista por sua inocência e pelo caráter como ao se solidarizar com a prostituta Dallas. E mais que todos, é Dallas a personagem principal, a mais comovente, a que sofre a dor da ODIOSA DISCRIMINAÇÃO. O amor entre ela e Ringo nasce de forma sublime sob a mágica direção de Ford. E “No Tempo das Diligências” acaba sendo um faroeste também para as mulheres.

No Tempo das Diligências, o crítico francês André Bazin escreveu que o filme era “um exemplo ideal de maturidade de estilo elevado à perfeição clássica”. A sisuda crítica de cinema Pauline Kael, tão econômica em elogios, afirmou que “Todo bom western feito após 1939 ou imitou “No Tempo das Diligências” ou dele tirou lições”. Orson Welles, em 1966, solicitado a dizer quem eram seus diretores preferidos respondeu: “John Ford, John Ford e John Ford”. Ainda que não fosse a obra-prima que é, No Tempo das Diligências seria importante por ser o primeiro western a usar o MONUMENT VALLEY como cenário e, mais que isso, por ter  lançado John Wayne ao estrelato.

Esta película cinematográfica  é um marco do cinema falado, donde John Wayne marca seu primeiro sucesso na telona  como ator principal. Assistir outra vez esta relíquia é viajar no tempo com a corneta da cavalaria, os emblemáticos passageiros da diligência e o ataque de apaches. Um dos melhores westerns de todos os tempos.  Aliás, já passou da hora dos amantes do faroeste vê-lo novamente. Recomendo-o.


4 comentários:

  1. Assim como este colunista/leitor, o filmélico e não cinéfilo, o médico radiologista Joailton de Caruaru-PE e eu de Garanhuns-PE temos um passado filmélico muito parecido em cidades do interior. Na meninice nossas fontes de diversões eram a imagem ruim da televisão preto & branco (na casa do vizinho), circos e filmes de faroestes nos cinemas locais. Fomos, como muitos leitores deste blog, muitas vezes impedido de ver estes filmes, por falta de idade e também pelo excesso de lotação do espaço em dias de exibição de um faroeste famoso.

    Naquela época, no interior, poucos de nós estávamos interessados em enumerar e analisar as diferenças entre um faroeste Americano e o Italiano(tendo como diretores: John Ford & Sergio Leone), só queríamos nos divertir e sair do cinema dando tiros. A verdade é que os faroestes Italianos e americanos (com os atores Clint Eastwood & John Wayne) reinaram absoluto no Cine Theatro Jardim de Garanhuns, naqueles tempos de doces recordações: jovens tardes de domingos, velhos tempos, belos dias...

    Sempre achávamos que sendo películas faroestes eram novos, nos integrando ao velho conceito, que todo filme que você não viu, é novo e é lançamento. Quando o gênero western já estava sem fôlego em outros mundos, paradoxalmente, no nosso mundo, o das cidades do interior, na década de 70, ainda reinava o faroeste na preferência popular e ainda estava num galope desenfreado nas planícies gramadas da nossa ilusão e nós, simplesmente ignorávamos o conceito de gênero ou subgênero. O que nos interessava era o bandido e o mocinho sacarem as armas num Duelo de Titãs...

    P.S.: - Frase que continua na minha cachola, no telão, dentro de uma sala de projeção: CINEMA É A MAIOR DIVERSÃO - THE END.

    ResponderExcluir
  2. RERRATIFICAÇÃO: - Errado: Sempre achávamos que sendo películas faroestes eram NOVOS - CORRETO: Sempre achávamos que sendo películas faroestes eram NOVAS...

    ResponderExcluir
  3. Tenho-o em DVD. Imortal! Foi através desse filme que conheci o atoraço que interpreta o médico alcoólatra. Excelente ator.

    ResponderExcluir
  4. Atoraço não existe. Só se for um ator feito de aço.

    ResponderExcluir