Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

A IMPRENSA E O HOMEM QUE SABE DEMAIS


Por Homero Fonseca

Em novembro de 2013, José Dirceu, preso no chamado escândalo do mensalão, obteve na Justiça o direito de trabalhar durante o dia. E conseguiu emprego de gerente do Hotel Saint Peter, de Brasília, de propriedade de um seu amigo, Paulo Masci de Abreu. No dia 3 de dezembro, o Jornal Nacional da TV Globo deu com grande estardalhaço a notícia de que o hotel, na verdade, estava no nome de um laranja, o cidadão panamenho José Eugênio Silva Ritter, e encontrou-o lavando o carro na porta de sua casa, num bairro pobre da Cidade do Panamá. Toda a grande mídia deitou e rolou em cima na “sensacional revelação”, embora a reportagem não provasse qualquer envolvimento de Zé Dirceu com o fato. A reportagem e sua repercussão melaram o emprego do petista, que continuou por uns tempos atrás das grades.
Posteriormente vieram à tona detalhes do caso. Na realidade, o tal laranja era funcionário do escritório de advocacia Morgan & Morgan, especializado em abertura de firmas em paraísos fiscais, como o Panamá. Assim como no caso do hotel, ele e outros funcionários da banca constavam como diretores de milhares de empresas de vários países, cujos verdadeiros donos, fugindo do rigor do fisco, recorriam aos préstimos da Morgan & Morgan. Prática usual entre grandes e médios empresários brasileiros e de alhures. Se puxassem o fio da meada, vinha muita, muita gente conhecida. Não acho que Dirceu seja nenhum santo, mas recorrer a firmas em paraísos fiscais, criar offshores, abrir contas secretas na Suíça são estratégias usadas por todo mundo no meio empresarial para praticar sonegação de impostos e esconder a origem de certas fortunas. Como ouvi certa vez da boca de um banqueiro: “Isso aqui não é um convento de freiras”.
Vejamos o caso das contas secretas no banco britânico HSBC, revelado em 2015, onde mais de seis mil brasileiros tinham 7 bilhões de dólares depositados (em parte dinheiro ilícito ou escondido do fisco). Muita gente graúda e conhecida estava envolvida e, por isso mesmo, o escândalo rapidamente foi esquecido pela imprensa. O esquema do HSBC envolvia também criação de offshores nas Ilhas Virgens Britânicas, onde coincidentemente a própria Rede Globo tinha uma empresa de fachada, a Empire Investment Group Ltd, criada em 1999. (O Jornal Nacional não noticiou isso, claro.)
Relembro esses fatos para observar como a grande mídia age com dois pesos, duas medidas: ao contrário do “esforço de reportagem” da Globo no caso José Dirceu, investigando a propriedade do hotel onde ele arranjou um emprego e deslocando uma equipe até o Panamá, a Vênus Platinada, assim como todo o resto da imprensa corporativa, não move um dedo mindinho para encontrar e entrevistar o ex-PM e motorista do Sr. Jair Bolsonaro, Fabrício Queiroz, que recolhia salários dos servidores do gabinete do deputado Flávio Bolsonaro e fez pelo menos um depósito na conta da futura primeira dama.
Como se vê, para os donos da mídia, liberdade de imprensa é poder escolher livremente o que noticiar e escandalizar e o que omitir, minimizar, ocultar.
*Homero Fonseca é jornalista e escritor, autor dentre outros livros do romance "Roliúde".

Nenhum comentário:

Postar um comentário