ALEPE

ALEPE
ALEPE

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

E O DEMOCRATAS CHEGOU AO PODER...


O DEM, filho do PFL, neto do PDS e bisneto da Arena, partido que deu sustentação à ditadura militar, é o partido que mais se fortalece no futuro Governo Bolsonaro.
Embora não tenha mais a força do passado nas urnas, o DEM de Mendoncinha, Agripino Maia, Antônio Carlos Magalhães e Marco Maciel volta ao poder pela primeira vez desde a gestão de Fernando Henrique Cardoso.
O Ministério do presidente eleito está sendo formado por políticos investigados pela justiça, personagens do meio militar e representantes do DEM, tudo de acordo com a velha política.
Abaixo um artigo publicado hoje, no Jornal do Brasil, pela jornalista Tereza Cruvinel:
“O nome atual é Democratas, apelido DEM, mas o partido que se torna agora sócio majoritário de Bolsonaro no poder – noves fora o PSL, por enquanto um ajuntamento – foi o velho PFL, a dissidência do PDS, partido da ditadura, que caiu fora quando o regime perdeu os dentes, juntando-se ao PMDB para eleger Tancredo. Faz todo sentido o reencontro num governo que, chefiado por um civil eleito, tem forte prevalência militar”, analisa a jornalista Tereza Cruvinel. 
Contudo, diz a jornalista, “Faz pouco sentido é um presidente que, para alcançar o quórum qualificado precisará do apoio de dez a doze partidos, levando-se em conta o tamanho médio das futuras bancadas, favorecer tanto o DEM e não tentar formar uma coalizão, em sinal de que banirá o toma lá, dá cá”.
Para ela, “Assim, o velho PFL, depois de um longo inverno na oposição, volta ao poder pela primeira vez depois do fim do governo FHC. Curioso também é que, por ora, Bolsonaro não se interessou pelo demista que lhe pode ser mais útil, o deputado Rodrigo Maia com sua candidatura a presidente da Câmara. Mas ele pode entrar na disputa lá na frente e apoiar Maia, e se ele for eleito, o retorno do DEM ainda será mais triunfal”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário