SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

É HORA DE UNIR O BRASIL POR HADDAD E PELA DEMOCRACIA



Por Roberto Almeida

A pesquisa do IBOPE divulgada ontem à noite mostra um crescimento inacreditável do professor Fernando Haddad (PT) em poucos dias.

Ele passou de meros 4%, quando quase todos achavam que ele estava fora da disputa e chegou a 19%, se consolidando no segundo lugar e deixando para trás políticos que são candidatos há muito mais tempo, como os ex-governadores Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), além da ex-ministra Marina Silva (Rede), esta disputando a terceira eleição presidencial consecutiva.

Caso Haddad prossiga esta ascensão fenomenal, poderá chegar na frente,  no dia da eleição, obtendo mais votos mesmo que Jair Bolsonaro (PSL).

Não é uma certeza e sim uma possibilidade.

Faltando apenas 18 dias para o dia da votação, os candidatos, jornalistas e eleitores já estão imaginando como será o segundo turno.

Outros, sejam correligionários de Bolsonaro ou Haddad, sonham com a vitória ainda no primeiro turno.

É difícil, mas não impossível. Vai depender do chamado “voto útil”, da performance de cada candidato na reta final e do último debate, na TV Globo, que sempre tem um peso muito grande.

Não vejo porque numa eleição como essa, em que está se julgando o golpe parlamentar-midiático de 2016 e se votando por mais ou menos democracia, ficar se pegando em questões menores e brigando no campo dito progressista.

Temos, como na eleição de 1989, a primeira pós-redemocratização do Brasil, um candidato ancorado num partido pequeno, com discurso moralista e cheio de bravatas. O adversário é do PT, maior partido de massa do país, que venceu nas urnas em 2002, 2006, 2010 e 2014.

Políticos inteligentes, preparados e experientes como Geraldo Alckmin, Ciro Gomes e Marina Silva não podem compactuar com o discurso fascista que põem o Brasil em perigo. Ficar pior do que está é coisa que nem Tiririca aguenta.

Se os candidatos citados não podem renunciar, “jogar a toalha”, porque ficaria feio e seria a negação de suas convicções, cabe aos movimentos sociais, a instituições, aos sindicatos, a Fetape, CUT, setores progressistas das igrejas cristãs, aos jornalistas, blogueiros, radialistas e comunicadores em geral unirem o Brasil pela vitória do candidato mais preparado, consciente e sensato.

Nesta eleição, não se trata da velha briga entre o PT e o PSDB. Não é o petismo ou o não-petismo que está em jogo.

Está em jogo a própria democracia brasileira, que vem sendo afrontada desde 2016 e que pode ser estuprada de vez com a vitória de um candidato simpático às ditaduras.

Fernando Haddad é formado em direito, é professor universitário, tem pós-graduação em economia e doutorado em filosofia.

Não é um petista sectário, nem um intelectual complicado desses que pretende reinventar a roda.

Fala uma linguagem simples e tem experiência na vida pública, já tendo sido assessor do Ministério do Planejamento, Ministro da Educação e prefeito da maior cidade do país.

Apesar de todo esse currículo, o povo está descobrindo o professor Haddad agora e está gostando do que vê.

Por ser moderado, inteligente, apresentar boas propostas e deixar claro que irá governar como fez o seu padrinho político, o ex-presidente Lula, privilegiando os mais pobres, os que realmente precisam dos governos.

Uma união de todos os homens e mulheres conscientes do Brasil, a prática do “voto útil”, o trabalho incansável nas ruas e redes sociais em favor do professor Haddad, pode fazer com que ele chegue a mais de 40% de intenções de voto no dia 7 de outubro, com chances reais de vencer a eleição sem necessidade de uma segunda campanha.

Fernando Haddad eleito, seria hora de desarmar os palanques e fazer um governo de coalizão com o PDT de Ciro, o PSDB de Alckmin, o PSB de Paulo Câmara, o Partido Rede da Sustentabilidade, de Marina e até o PSOL de Boulos.

Enfim poderíamos nos livrar de mal que se chama PMDB.

Que o povo se conscientize também para votar em deputados progressistas, gente séria, de modo a melhorar a representação em Brasília.

Não basta eleger Haddad, tem também que lhe dar uma base no Congresso Nacional.

Se ficarem esses deputados mercantilistas que estão aí eles continuarão fazendo chantagem, saqueando o Brasil e fazendo com que a injustiça e as desigualdades se perpetuem.

Vamos unir o Brasil. Por Fernando Haddad, pela democracia, pelos nossos filhos e netos.

Não à barbárie, ao fascismo, à intolerância e ao ódio.

Sim ao futuro, a civilização, a um Brasil em que se possa ser feliz de novo.

2 comentários:

  1. Eis as consequências de uma cambada de políticos que só olham para seu umbigo e a nação que se dane!!! Com João Doria fora da eleição presidencial, o PSDB, que sempre foi a muleta do PT, implodiu!!! Agora só falta derrubar o PT. Aliás, o PT já se foi e saiu derrotado pela sua própria teimosia.

    P.S.: - O PT já levou duas surras de FêHáCê no primeiro turno e nunca teve o prazer de ganhar uma eleição presidencial nesse mesmo primeiro turno. Em 2018, não só está fora, mas levou com ele: Ciro Marina e Alckmin!!!

    ResponderExcluir
  2. O que seria PIOR para o país? A marionete Addad vencer ou perder as eleições?!?!?! Ainda bem que o ADDAD BONECO DE VENTRÍLOQUO sofre da síndrome de primeiro turno, que o diga João Doria. O articulista político Francisco Bendl levanta uma tese bastante interessante a respeito da Chapa dos Sonhos: Ana Amélia/Alckmin. SENÃO VEJAMOS:

    “Alckmin começa a reagir como Ciro Gomes, perdendo a calma, sendo agressivo, e insultando seus concorrentes. Não fala mais sobre seu programa de governo, mas os defeitos dos demais candidatos. Uma pena a aura que tem sobre si de negatividade, pois numa comparação entre todos que querem estar no Planalto ano que vem, indiscutivelmente É O MAIS BEM PREPARADO, e coloca Ciro no bolso. Experiente, educado, administrador, foi eleito seguidas vezes governador do maior Estado do país economicamente, de fato seria um bom presidente”.

    Assino embaixo o que o articulista fala(em que pese Alckmin pertencer ao PSDB que sempre foi a muleta do PT). Friamente analisando esses dois partidos, com exceção do PLANO REAL, esses dois partidos políticos fizeram muito mal ao Brasil e a prova é tanta que nem parece que entramos no Século XXI, pois há 18 anos do novo Século o desmantelo veio à tona. Infelizmente o Alckmin pertence a um partido chamado tucano, ave predadora, que não difere da organização criminosa do PT, diante dos crimes que praticaram contra o povo e o país!!!

    Independente dessas duas pragas partidárias, o eleitorado tem que fazer algo e já está se movimentando. Em 2018, os eleitores estão dando um BASTA nesta esquerda corrupta, incompetente, dissimulada… Estão Experimentando algo diferente, pois pior do que foram os dois citados, PT e PSDB, jamais um outro partido vai ser tão criminoso, tão escroto, dissimulado e ladrão. Estão aí, Lula e Aécio que não nos deixa mentir.

    P.S1.: - A intenção do PT é romper o Brasil em um combate armado e de proporções inimagináveis sendo o presidiário Lula aquele que bota mais gasolina no fogo e, quem deu o pontapé inicial nesta separação entre o povo brasileiro e propositadamente, chama-se PT, o conhecido “NÓIS” contra “ELLES”...

    P.S2.: - E, se não der certo o que vem por aí… Bom, então que o Brasil seja partido ao meio. Metade para os petistas, a outra parte para os antipetistas.

    ResponderExcluir