SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

MULHER É PRESA COM BEBÊ DE APENAS DOIS DIAS

Uma mãe está presa com o filho de apenas dois dias na carceragem do 8º Distrito Policial, no Brás, em São Paulo. Jessica Monteiro, de 24 anos, e o marido Oziel Gomes da Silva, de 48 anos, foram detidos por tráfico de drogas na ultima sexta-feira. Ela foi autuada em flagrante com cerca de 90 gramas de maconha.

No domingo, quando deveria ir à audiência de custódia, a então futura mãe entrou em trabalho de parto e foi escoltada até o Hospital Municipal Inácio Proença de Gouveia, onde deu à luz o menino Henrico. Ao mesmo tempo, o advogado Paulo Henrique Guimarães Barbezane compareceu à audiência representando Jéssica, amparado pelo comunicado policial de que ela havia dado entrada no hospital. O juiz Claudio Salvetti D’Angelo, no entanto, decidiu manter a prisão, ignorando as circunstâncias do parto e o fato dela ser ré primária.

Jéssica foi escoltada com o recém-nascido de volta à carceragem da delegacia. Está em uma cela de cerca de dois metros quadrados, suja, com mau cheiro, em uma espuma no chão com alguns cobertores, isolada dos outros presos. Policiais auxiliam com água morna para limpar o bebê, porém o local não dispõe de higiene.


O delegado José Willy Giaconi Júnior já fez o pedido à justiça para remover a mãe e o bebê da cadeia para um local um pouco mais adequado. “Nós estamos tentando junto à secretaria de administração penitenciária, na justiça, uma vaga em um hospital penitenciário que tenha mais condição de manter uma criança com apenas dois dias. Principalmente aqui que é uma cadeia. Numa penitenciária com sistema hospitalar, com assistência, teria muito mais condição do que aqui. Aqui é uma cela precária de passagem de presos. Ela está isolada dos outros presos com a criança. Nós temos que conseguir esta vaga e estamos brigando por isso”. (Fonte: Falando Verdades).

Um comentário:

  1. Esse juiz não foi parido por u'a mãe. Deve ter sido expelido por uma égua, dentro das matas ou nas margens poluídas do Rio Tietê. - Nem num presídio feminino, como o Bom Pastor, aqui em Recife, essa selvageria poderia ser abrigada. A criança nada tem a ver com os erros dos pais. Muito menos um recém-nascido! Quando uma filha ou uma neta desse juiz singular for presa, como aconteceu a Suzane von Richthofen, de certo terá todas as regalias possíveis. Mesmo sem estarem grávidas ou paridas. As mulheres da família desse juiz imoral, quando cometerem crimes, terão tratamento igual ao que é dispensado a Adriana Ancelmo. – 2. Mas, tudo indica que, após os maus-tratos que estão sendo impostos a esse recém-nascido, algum juiz de bom senso mande a mãe presidiária para uma prisão que possa, ao menos um pouquinho, atenuar os efeitos deletérios que estão sendo impostos ao bebê. /.

    ResponderExcluir