ALEPE

ALEPE
ALEPE

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

GIVALDO CALADO DEFENDE QUE SE DÊ PRIORIDADE E FORTALEÇA AS VOCAÇÕES ECONÔMICAS DE GARANHUNS

Entrevistado no programa “Falando com o Agreste”, da Rádio Marano, o empresário Givaldo Calado defendeu que sejam fortalecidas e priorizadas as vocações econômica de Garanhuns, “antes que outras cidades o façam”.

No programa comandado pelo radialista e publicitário Marcelo Jorge, Givaldo falou sobre as vocações econômicas de Garanhuns.

Para o empresário, essas vocações residem no turismo, no comércio e na educação, esta, em todos os seus níveis de ensino, que, hoje, precisam, mais que nunca, de serem fortalecidos e priorizados.  “E isso passa por constarem, mesmo, da agenda das políticas públicas da cidade para sua maior sustentabilidade e ininterrupção ao sabor de gestões", pontuou.

E prosseguiu: "Penso que 'A Magia do Natal de Garanhuns' teria sido o grande despertar desse sentimento, quando mostra, através de suas edições,  que a felicidade da cidade é imensa quando vivencia espetáculos como aqueles".

Na visão de Givaldo Calado de Freitas "é visível a felicidade no semblante de todos. Do flanelinha ao pequeno, médio e grande empresários. Sem esquecermos do micro porque é o que se diz 'mais beneficiado.' Todos ganham, inclusive o poder público em todas seus níveis - municipal, estadual e federal".

Ele acredita que nunca se viu tanta gente em Garanhuns como neste Natal. E a proposta da 'Magia do Natal', em oito finais de semana, dentro de 52 dias, chamou a atenção do Brasil à ousadia da terra 'onde o Nordeste garoa'. Na medida em que a cidade provou que, no que pese o cenário adverso em que se vive, Garanhuns é prova cabal de que a cidade avança e quer avançar muito mais.

O entrevistado se referiu, ainda, ao passado, ao dizer que, "à época do governador Agamenon Magalhães, ele já enxergava Garanhuns como uma cidade diferente, chegando a chamá-la de cidade universitária, sugerindo, quem sabe? Que um dia viéssemos a ser a cidade que hoje somos: a única a ter três colégios centenários; a única a dispor de um clima, tido como o melhor do Brasil; a única do interior do norte e nordeste brasileiros a trabalhar seu sonho universitário a partir do fundação e construção de uma  Casa do Estudante que acolheria o estudante pobre em suas dependências. E que, por isso mesmo, seria pouco depois reconhecida como precursora do ensino superior em nossa cidade. E aí estão as escolas de nível superior do município, do estado e da união."

Por fim, Givaldo convocou todos os garanhuenses "para essa caminhada em que  haja uma grande união em torno de um ideário comum: fortalecer e priorizar as nossas vocações. Vamos acreditar mais em nossa cidade. Eu quero dizer: eu acredito!".


(Com informações e foto da jornalista Ezandra Ribeiro).

Um comentário:

  1. O empresariado de Garanhuns está equivocado.

    Não existe uma atividade econômica, chamada "polo universitário", um polo universitário existe quando profissionais de qualidade saem periodicamente das universidades de uma cidade (assim é a cidade de Boston Massachusetts nos Estados Unidos), onde existem diversas instituições de qualidade em uma cidade de apenas 673.184 habitantes. E o forte de Boston não é a quantidade de alunos universitários que ali "estão", e sim a qualidade dos profissionais que ali "se formam" e que durante a graduação criam novas empresas, novas tecnologias e novos ramos de negócios, além de atrair as grandes multinacionais e diversas áreas diferentes, não apenas de tecnologia da informação.

    ResponderExcluir