SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

LUZINETTE LAPORTE - A MULHER MÚLTIPLA


Por Albérico Fernandes*

Conheci a professora Luzinete Laporte como aluno.

Tinha eu 15 anos de idade e estudava no Colégio Diocesano.  Menino pobre e tímido fazia a 1ª série do antigo ginasial. Na verdade, já a conhecia, pois, meu pai, que também tinha sido aluno dela, sempre ressaltava as suas características. Mulher bonita, culta e de um conhecimento ímpar. Pois bem, naquele março de 1974 (naquela época as aulas começavam em março) estava eu na sala de aula quando entrou a professora Luzinete Laporte de Carvalho. Alta, magra e de uma postura diferenciada. Eu estava preparado, pois tinha sido aluno de Levino Epaminondas de França, mas confesso tremi nas bases pois estava diante de um ícone da educação de Garanhuns.

O tempo, senhor da razão, me mostrou nos três anos seguintes que fui um privilegiado, estudei português e, no último, em função da saída do padre Tarcísio, ela ainda nos ensinava religião. Viajei na imaginação de um jovem pelas imagens que ela nos criava.  A França, com seu charme, eu conhecia assim como a frieza londrina. Nunca tinha ido, mas viajei na beleza das aulas da professora Luzinete.

Vem 1984 e volto ao Diocesano e a encontro novamente. Desta vez como colega de profissão. Meu Deus! Agora, ensinar junto com a professora Luzinete. Assim eu tinha com quem continuar aprendendo. Lembro que me senti até perdido, entre aqueles que, dois anos depois, viria a dirigi-los. Luzinete, Álvaro, Carlos Guilherme, Fernando Souto, Maria José Miranda e tantos outros. Em seguida veio sua aposentadoria e nossa amizade permanece. As orientações dela, o cuidado com Monsenhor Adelmar, o carinho com o seu Ginásio,  seu amor pela capela, seus escritos belíssimos e as visitas que sempre me fazia.


Hoje posso dizer com muita alegria, passaram-se 42 anos daquele dia e hoje quando encontro a professora Luzinete, a vejo com os olhos do meu pai, Antônio Fernandes, que sempre dizia, e agora eu repito: mulher bonita, culta e de um conhecimento ímpar. Parabéns, professora Luzinete, ter sido seu aluno me deixa feliz, ter sido seu colega de trabalho me emociona, ser seu amigo me dignifica. Com toda a ousadia que nunca tive, nessa data receba dois beijos: um do meu pai e outro meu.

*O professor Albérico pronunciou essas palavras no Mosteiro de São Bento, quando foram comemorados os 90 anos de Luzinette Laporte.

2 comentários:

  1. De: Malaquias Batista
    Para: Roberto Almeida
    Ex-aluno da profª Luzinete Laporte nos fins da década de 50, fui agora impactado pela noticia do seu falecimento, em dezembro passado. Ainda adolescente, tive a clara previsão de que ela, ainda bem jovem (talvez 25 anos) seria uma pessoa singularmente diferenciada, no futuro! Sua vida brilhante de intelectual e educadora, agora resgatada por sua biografia nos meios de comunicação, me relembra o acerto da minha previsão muito antecipada. Minha mestra e minha musa! Lamento que no decurso de tantas décadas, caminhando pelas estradas do mundo com tantos desvios e quase sem nenhuma sinalização, tenha perdido o contato com minha professora que, juntamente com Dom Jerônimo de Sá Cavalcanti, foram os mestres que mais marcaram minha breve experiência (dois anos) de aluno do Colégio Diocesano de Garanhuns. Como me parece que V.S. tornou-se um mediador ou um representante informal da profª Luzinete Laporte seguem meu e-mail, telefones e Curriculum Lattes, para eventuais e esperados contatos.
    Atenciosamente
    Malaquias Batista
    P.S. Docente da Pós-Graduação e Pesquisador do IMIP
    Malaquias Batista Filho malaquias.imip@gmail.com
    Malaquias Batista Filho
    Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira - IMIP
    Diretoria de Pesquisas /Grupo de Estudos em Nutrição
    F - 81-21224781

    ResponderExcluir
  2. Fui aluno da Professora Luzinete Laporte no último dos meus sete anos de Colégio Diocesano, em 1967, quando concluímos o então Curso Científico (ou Colegial). Foi madrinha de nossa turma.

    ResponderExcluir