ALEPE

ALEPE
ALEPE

domingo, 21 de fevereiro de 2016

MULHERES LINDAS RICAS E INFELIZES

Lançado já há algum tempo, “Divas Abandonadas” é um livro simples e até um pouco  superficial,  escrito pela jornalista Tetê Ribeiro. A obra, no entanto, tem a qualidade de traçar um perfil de sete das maiores divas do Século XX: Marilyn Monroe, Lady Diana, Ingrid Bergman, Tina Turner, Maria Callas, Silvia Plath e Jacqueline Kennedy.

Mulheres lindas, ricas e infelizes.

Lady Diana sofreu desde a infância, por conta da preferência descarada dos pais pela irmã mais velha. Quando casou, com o príncipe Charles, não foi bem aceita pela família real, o marido feioso a traiu escandalosamente, ela também arranjou um amante até que se divorciaram. Morreu tragicamente, num acidente de carro, perseguida por fotógrafos de tabloides sensacionistas.

Apesar de toda beleza, dinheiro e glamour, a vida de Diana foi curta e triste.

Jacqueline Kennedy casou com um senador democrata que depois se elegeu presidente dos Estados Unidos. A vida com o dirigente do país mais poderoso do planeta não foi exatamente um mar de rosas. John tinha casos e mais casos, não deixava escapar nem as funcionárias da Casa Branca e foi para a cama também com gente famosa, como a atriz Marilyn Monroe. A primeira dama americana estava ao lado do marido, quando ele foi assassinado, em 1963. Viúva, se recolheu, mas terminou casando novamente com um milionário grego chamado Aristóteles Onassis.

Jack Morreu de um câncer, aos 64 anos.

A cantora lírica Maria Callas era filha e gregos, mas nasceu em Nova Iorque. Desde cedo mostrou inclinação para a música e impressionou os ouvintes com sua voz de soprano. A mãe da garota, Litza manipulou a vida da filha durante boa parte, chegando ao ponto de incentivar apresentações e até relacionamento da mesma com fascistas italianos e nazistas alemães no período da II Grande Guerra.

Maria Callas casou com Giovanni Battista, muito mais velho, gordinho, careca e homossexual. A relação se sustentou até que a cantora de ópera conheceu Onassis e se tornou amante do grego. Sonhou em viver com ele o resto da vida, mas o milionário preferiu casar com Jacqueline Kennedy e a abandonou.

Das sete histórias do livro a que mais impressiona é a da cantora Tina Turner. Conhecida mundialmente, é uma negra bonita, de corpo exuberante e voz privilegiada.

Elogiada por grandes astros do rock e do pop nos Estados Unidos e na Europa, Tina (cujo verdadeiro nome era Anna Mae) viveu anos apanhando do seu homem, Ike Turner, que além do mais ficava com quase todo dinheiro obtido com os shows da diva.

Viciado em cocaínas e outras drogas pesadas, Ike abusou de Tina o quanto pôde. Esta tinha muito medo dele e demorou a se libertar do cafajeste.

O afastamento completo só se daria nos anos 70, quando ela fugiu e pôde começar uma nova vida como mulher e artista. Antes do grito de libertação, como escreve Tetê Ribeiro “Tina Turner era uma diva nos palcos e uma escrava dentro de casa”.

As outras divas focadas no livro têm vidas igualmente trágicas: Silvia Plath é uma poetisa americana de tendência suicidas que após mais de uma tentativa acaba por dar fim à própria vida, aos 30 anos de idade.

Marilyn Monroe tem a história bastante conhecida: foi uma deusa do cinema nos anos 50, admirada e amada por milhões de fãs em todo o mundo.

Seu verdadeiro nome era Norma Jean, nasceu de família pobre, porém se tornou a principal estrela de Hollywood no seu tempo. Apesar da fama, da beleza e do dinheiro que ganhou com atriz não era feliz. Terminou tomando uma mistura de comprimidos que lhe tirou a vida, em agosto de 1962. Tinha apenas 36 anos.

Outra atriz famosa, Ingrid Bergman, não foi tão infeliz. Mas quando já era conhecida como atriz pagou um preço caro por deixar o marido, dentista, para viver um grande caso de amor com o cineasta italiano Roberto Rosselinni.

Por afrontar “a sagrada família”, Ingrid foi perseguida até no senado dos EUA e políticos conservadores exigiram que seus filmes fossem proibidos de serem exibidos no país. Já pensou ser privado de ver uma obra-prima como "Casablanca" por conta da intolerância republicana?

Apesar de passar por tudo isso por conta do romance com Rossellinni, o casamento entre os dois não durou tanto tempo assim. Arrasada com o fim da união ela se consolou no relacionamento com o diretor de teatro Robert Anderson.
Ingrid Bergman foi reabilitada nos Estados Unidos, seus filmes puderam ser vistos novamente e a atriz voltou a ser aplaudida nos palcos. Morreu aos 67 anos, vítima de um câncer de mama.

A biografia dessas mulheres, personagens do livro de Tetê, deixa evidente que por trás da fama pode se esconder uma tragédia e que nem sempre beleza e dinheiro garantem a felicidade de uma pessoa.

*Fotos: 1) Lady Diana; 2) Jacqueline Kennedy; 3) Ingrid Bergman e 4) Tina Turner.

Um comentário:

  1. Pura imbecilidade FEMINISTA pós moderna, esse pensamento de que o homem tem que ser 100% fiel e a mulher pode vadiar à vontade.

    A própria natureza é estruturada, para que o homem seja infiel pois um homem pode fertilizar quantas mulheres quiser ao mesmo tempo. Já um mulher só pode engravidar de um homem de cada vez. Aí os sabichões questionam isso é óbvio né mesmo?

    Para as feministas não o é e é necessário muita explicação e no final elas não entendem nada. Por isso digo: O feminismo é mais um tipo de "burrice", assim como o Marxismo/Socialismo/Comunismo/Facismo/Nazismo/Racismo.

    ResponderExcluir