SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

PAULO CAMELO CRITICA PESQUISAS

Candidato a prefeito de Garanhuns em mais de uma oportunidade, sem obter sucesso na urnas, recém filiado ao PCB, o engenheiro Paulo Camelo escreveu um artigo questionando e criticando as pesquisas realizadas no município recentemente, uma delas revelando que o Governo de Izaías Régis é bem avaliado e a outra que o prefeito está bem situado caso dispute a reeleição.

Para Camelo as pesquisas são manobras das elites ricas e da burguesia e,  no caso de Garanhuns,  estariam servindo para desestimular os candidatos das oposições. O engenheiro acredita que o prefeito Izaías Régis tem um índice de rejeição maior do que o apresentado pelo Instituto Plural e acredita que o Partido Comunista, ao qual é filiado (que considera a segunda força política do município) será capaz de fazer o município avançar.

“Os representantes das elites ricas costumam manobrar e transformar a eleição num “Besteirol” e num “Pastoril Eleitoral”,  com acusações mútuas, para manterem  o  seu domínio sobre  a população, transformando algo sério como o é uma eleição municipal, numa disputa entre o “cordão encarnado” e o  “cordão  azul”, escreve Paulo Camelo que já usou este argumento em outras ocasiões.

Na pesquisa criticada pelo comunista ele pontuou, ao contrário do “burguês” Ivan Júnior (PSDB), somando 4,5% das intenções de voto. O prefeito Izaías Régis ficou em primeiro lugar entre os pré-candidatos, com 55,3% da preeferência do eleitor de Garanhuns.

Confira na íntegra o artigo do representante do PCB:

Após um avanço considerável de setores da oposição, particularmente da esquerda, na série de entrevistas dos pré-candidatos  a Prefeito do Garanhuns, no programa “Falando com o Agreste”, da Rádio Marano,  o representante   do PCB de Garanhuns,  Paulo Camelo, foi  o único a dizer que o prefeito  Izaías Régis, não  cumpre as leis, no que diz respeito  ao rateio, entre os professores,   dos 23 milhões de reais oriundos do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de  Valorização dos Profissionais  da Educação), ora recebido  pelo governo  municipal, eis que surgem misteriosamente e simultaneamente duas pesquisas: a primeira  tenta afirmar que o governo municipal é “bem avaliado”  pela população e a segunda  insinua  que o Prefeito tem um “bom índice” de aceitação e  apenas  “sinal amarelo”  no  índice de rejeição, beirando os 10%. Mas, é público e notório que o governo municipal tem um índice de rejeição próximo  dos 20%, portanto já está no “sinal vermelho”. Lembrando que essa pesquisa, mesmo sendo encomendada pelos representantes da burguesia, já reconhece, pela primeira vez,  a fragilidade do governo Izaías Régis, admitindo que o índice de rejeição já abriga os dois dígitos. Convém lembrar que a população começa a dar sinais de rejeição a tese da reeleição, uma vez que o segundo  mandato sempre é pior do que o primeiro.
Os representantes das elites ricas costumam manobrar e transformar a eleição num “Besteirol” e num “Pastoril Eleitoral”,  com acusações mútuas, para manterem  o  seu domínio sobre  a população, transformando algo sério como o é uma eleição municipal, numa disputa entre o “cordão encarnado” e o  “cordão  azul”, com o intuito de animar  a população num embate estéril   e despolitizado, geralmente  entre candidatos ultrapassados e de direita.
Quaisquer pesquisa  de aferição  de desempenho  de governo e de pré-candidatos, numa cidade  de porte médio, como é Garanhuns, custa, cada uma,  em torno de R$10.000,00 (dez mil reais). No caso em tela, totalizando R$20.000,00. Cadê a Justiça Eleitoral para questionar esse gasto pré-eleitoral?
Pelo exposto, perguntar não ofende:
1 - Quem contratou e pagou as duas últimas pesquisas? 
2 - Qual o interesse de um instituto de pesquisa do Recife fazer pesquisa em Garanhuns?
3 - Porque essa pesquisa foi realizada somente em Garanhuns?

4 - Qual o endereço desse instituto de pesquisa e os nomes dos seus diretores?
Evidentemente que as pesquisas político-eleitoral, servem como uma “ducha de água fria”  na oposição, com o intuito  de  influenciar o eleitorado  e  afirmar que o governo municipal  não foi abalado pelo recente bombardeio das oposições, especialmente do PCB, nitidamente a segunda força política da nossa  cidade.

*Paulo Camelo de Holanda Cavalcanti é engenheiro civil, ex-líder estudantil e militante do PCB

3 comentários:

  1. Caro Roberto Almeida, porque o pré-candidato do PRP Valter da Celpe não foi incluido na pesquisa? Na entrevista que a Rádio Marano fez através do radialista Marcelo Jorje com os Pré-Candidatos, foi informado que em uma enquete realizada pela internet, que Valter da Celpe ficou em segundo lugar e o Pré-Candidato Izaias Regis em quarto lugar.

    ResponderExcluir
  2. PCB - Psicopatas Comunas do Brasil.

    Paulo Camelo - só mais um psicopata.

    ResponderExcluir
  3. A cara dele é de psicopata!!!

    ResponderExcluir