ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

quinta-feira, 19 de março de 2015

LAJEDO ELABORA PLANO PELA PRIMEIRA INFÂNCIA

O Centro de Referência da Assistência Social (CREAS) está buscando formular um Plano Municipal pela Primeira Infância em Lajedo que serve para garantir os direitos das crianças de 0 a 6 anos de idade.

No Brasil são 20 milhões de crianças nessa fase. Em Pernambuco apenas a cidade de Itambé possui um Plano Nacional pela Primeira Infância, enquanto que Lajedo será a pioneira em todo Agreste com o projeto de lei para criação e implantação do plano municipal.
Para concretização, são muitas fases e Lajedo já conquistou a formação da comissão em fevereiro com tarefas designadas para os órgãos competentes como Secretarias de Educação e Assistência Social, CRAS E CREAS, Conselho Tutelar e Coordenadoria da Mulher.
Na última sexta-feria mais uma etapa foi concluída. O CREAS recebeu a presença de representantes do grupo gestor da RNPI (Rede Nacional pela Primeira Infância), do qual faz parte junto com mais 110 organizações. Além disso, a presença de Zuleica Leitão secretária de educação de Jaboatão dos Guararapes que já possui o plano municipal, representante do FUNDAJ Patrícia Simões e Solidade Menezes da UNCME PE.
PARTO – A Secretaria de Saúde Lajedo realiza um trabalho de incentivo ao parto natural.  De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o recomendado para cesarianas é de 15%, e no país a média atual é de 46,6%. São 62 mil casos de mortes por parto cesárea a cada 100 mil mulheres grávidas.

Essas estatísticas não favorecem o Objetivo de Desenvolvimento do Milênio da UNICEF no Brasil. Por isso, a diretoria chama a atenção das mulheres gestantes de Lajedo para facilitar o parto natural, pois é comprovado seu beneficiamento à recuperação e saúde. Em Lajedo são 32 partos normais por mês, uma média boa de um parto por dia, e que pode melhorar.

A que se devem os altos índices de mortalidade por parto cesárea:

- Alta taxa de cesáreas;
- Intervenções;
- Falta de treinamento das equipes;
- Proibição do aborto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário