SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

domingo, 22 de fevereiro de 2015

A GENIALIDADE DE CHARLES CHAPLIN

Luzes da Cidade

Charles Chaplin morreu dormindo em 1977, quando tinha 88 anos de idade. 

Passados 38 anos de sua morte o diretor, ator e comediante permanece como um dos personagens mais admirados do cinema, devido a sua genialidade e a uma obra conhecida até por muitos que não foram seus contemporâneos.

Ainda garoto, as dificuldades da vida o levaram a estrear no palco e graças e ao seu talento se firmou como estrela do cinema mudo e um dos maiores nomes de Hollywood.

O pai de Chaplin abandonou a família quando ele ainda era um garoto. A mãe logo começou a apresentar problemas de saúde e teve de ser enviada a um sanatório, o que levou o pequeno Charlie a um orfanato.

A miséria a que foi submetido no início da vida foi retratada pelo diretor em seus grandes filmes, como O Garoto, Em Busca do Ouro, Tempos Modernos, Luzes da Cidade e o Circo.

Chaplin começou no teatro, mas ao conhecer o cinema, uma atividade nova, ficou apaixonado por aquela forma de arte e se adaptou bem ao novo instrumento. Em pouco tempo superou os mestres, tornou-se diretor dos próprios filmes e fundou uma companhia para desenvolver mais o seu trabalho.

Foi ator, diretor, produtor e empresário.

Com 30 anos de idade já tinha feito suas principais obras primas.

Seu único irmão, Sidney, foi seu braço direito e o ajudou muito a chegar ao sucesso.

CASAMENTOS E PERSEGUIÇÕES - Como ator e diretor de cinema, Charles conheceu mulheres lindas, se apaixonou por algumas e teve uma sucessão de casamentos fracassados.

O amor de sua vida veio quando tinha 54 anos. Oona O ´Neill, filha do dramaturgo Eugene O ´Neill tinha apenas 18 anos. Se conheceram e se apaixonaram, casando em 1943. Foi o único casamento duradouro do ator. 

Viveram mais de 30 anos juntos , tiveram oito filhos e Oona ficou com Charles até o último dia de sua vida. Depois que ele morreu ela ainda viveu 14 anos e guardou o luto até o fim.

Embora tenha produzido comédias, dramas, filmes que faziam rir e chorar, Charles Chaplin foi perseguido por questões morais e políticas.

Johan Edgar Hoover, chefe do FBI durante anos, foi uma das figuras que perseguiu Chaplin e tentou coloca-lo atrás das grades. O policial considerava o ator e diretor comunista e achava que ele dava um péssimo exemplo a sociedade americana pelo seu envolvimento com mulheres jovens.

Houve uma época, nos Estados Unidos, que os comunistas eram criminalizados como são hoje os petistas no Brasil.

Nos anos 40 e 50 o senador Joseph McCarthy desenvolveu um trabalho intenso de perseguição aos comunistas. Ele via esquerdistas a saldo de Moscou em todo lugar: no cinema, na música, debaixo das camas ou numa gaveta para guardar colheres.

Muitos nos Estados Unidos foram vítima do extremismo de direita do senador e do chefão do FBI.

No caso de Chaplin, ele nem ao menos era comunista. Sempre se disse um humanista. Mas devido a sua origem humilde tinha simpatia pelas classes populares, nos seus filmes criticava o capitalismo e os regimes autoritários, ao mesmo tempo em que adorava zombar das autoridades e das forças policiais.

O Grande Ditador

OBRAS-PRIMAS - Dentre as obras-primas do cineasta estão Em Busca do Ouro, O Garoto, O Circo, Luzes da Cidade, Tempos Modernos e O Grande Ditador.

Neste último filme que começou a produzir em 1938, antes do início da guerra, o diretor traça um perfil implacável de Hitler, que pouco tempo depois começou a invadir países da Europa e promoveu o Holocausto contra os judeus. Charles teve de enfrentar reações até do irmão Sidney, contra “O Grande Ditador”, pois muitos achavam que os americanos não deviam se preocupar com “um problema da Europa”.

Pouco tempo depois Chaplin foi aclamado como gênio, uma vez que o seu longa retratando Hitler funcionou como uma espécie de “bola de cristal” a respeito do ditador alemão. É como se tudo tivesse sido antecipado pela cineasta antes mesmo de começar o grande conflito mundial.

“Tempos Modernos”, um filme de 1936, é uma crítica dura ao mundo moderno e industrializado que transforma as pessoas em autômatos. Imagine você ter essa visão do mundo antes da televisão, do videocassete, do DVD, dos celulares, do computador e de toda essa parafernália que existe hoje.

Chaplin viveu o suficiente para ter sua obra reconhecida, para ser recebido como herói na Inglaterra onde nasceu (recebeu da rainha o título de Sir), e ganhar um Oscar da Academia de Hollywood pelo conjunto de filmes. Foi como um pedido de desculpas do país pela perseguição que moveram contra ele anos antes.

Um dos momentos mais fortes da carreira de Charles Chaplin é a sua interpretação do vagabundo que é trocado por Hitler no filme "O Grande Ditador". No final ele vai fazer um discurso, e quando todos esperam as agressões e ataques costumeiros do líder nazista, surge um homem pregando a paz e o entendimento entre os homens:

"No décimo sétimo capítulo de São Lucas está escrito: O reino de Deus está dentro do homem. Não um homem, nem um grupo de homens, mas em todos os homens; em você, o povo.

"Vós, o povo tem o poder, o poder de criar máquinas, o poder de criar felicidade. Vós, o povo tem o poder de tornar a vida livre e bela, para fazer desta vida uma aventura maravilhosa. Então, em nome da democracia, vamos usar esse poder, vamos todos unir-nos. Lutemos por um mundo novo, um mundo bom que vai dar aos homens a oportunidade de trabalhar, que lhe dará o futuro, longevidade e segurança. É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder, mas eles mentem. Eles não cumprem as suas promessas, eles nunca o farão. Os ditadores libertam-se, porém escravizam o povo. Agora vamos lutar para cumprir essa promessa. Lutemos agora para libertar o mundo, para acabar com as barreiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à intolerância. Lutemos por um mundo de razão, um mundo onde a ciência e o progresso conduzam à felicidade de todos os homens.

"Soldados! Em nome da democracia, vamos todos unir-nos!

"Olha para cima! Olha para cima! As nuvens estão a dissipar-se, o sol está a romper. Estamos a sair das trevas para a luz. Estamos a entrar num novo mundo. Um novo tipo de mundo onde os homens vão subir acima do seu ódio e da sua brutalidade.

"A alma do homem ganhou asas e, finalmente, ele está a começar a voar. Ele está a voar para o arco-íris, para a luz da esperança, para o futuro, esse futuro glorioso que te pertence, que me pertence, que pertence a todos nós.

Olha para cima!
Olha para cima!"

Para conhecer melhor Chaplin nada melhor que ver e rever seus melhores filmes. Também se tem uma visão ampla de quem foi esse homem lendo a sua autobiografia, intitulada Minha VidaTambém é essencial assistir o filme “Chaplin”, baseado na autobiografia, realizado pelo cineasta inglês Richard Attenborough, o mesmo diretor do premiado “Gandhi”.
O Garoto

Nenhum comentário:

Postar um comentário