Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Festival de Inverno

Alepe

Alepe
Alepe

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

SAÚDE VIVE SITUAÇÃO DE CAOS

O Bom Dia Brasil, da TV Globo, mostrou hoje cedo a situação caótica da saúde no Brasil. As UPAS das grandes cidades já estão tendo problemas de superlotação e pacientes passam até cinco dias internados nessas unidades, que não têm estrutura para esse atendimento prolongado. 

O problema é que faltam vagas nos grandes hospitais. Mesmo quem tem plano de saúde hoje sofre: uma usuária de um plano de São Paulo depois de muitas tentativas conseguiu uma consulta para fevereiro de 2015. A situação é crítica em todos os municípios, mesmo quando as prefeituras investem pesado no setor. 

Em Garanhuns mesmo o prefeito Izaías Régis (PTB) está investindo R$ 5 milhões na saúde, constrói novos PSF e uma UPA 24 horas, mas as dificuldades na marcação de exames e consultas provavelmente irão continuar. 

Os governos Federal, Estaduais e Municipais têm de fazer um estudo dessa situação e tomar algumas medidas para melhorá-la. Algo precisa ser feito se não daqui a pouco vamos ter dezenas de protestos nas ruas por melhorias nessa área. A população vai cobrar Mais Leitos, Mais Exames, Mais Consultas e Mais Médicos, sem que ninguém consiga atender a demanda.

É uma situação verdadeiramente caótica.

Um comentário:

  1. Vi ontem uma reportagem acho que foi na Record, não tenho bem certeza, sobre a saúde em uma cidade do interior de São Paulo onde aquelas pessoas doentes tinham que se dirigir a um outro Município porque aquele não tinha absolutamente nada para se chamar de saúde. Saíam de madrugada em carros improvisados para serem atendidas em outra cidade, senhoras, senhores e crianças muito mal acomodadas. Aqui, nosso prefeito faz um esforço enorme e com recursos próprios, cerca de 5 milhões de reais, está construindo uma UPA 24 horas e alguns PSF's, para melhorar o atendimento e a saúde na nossa cidade, contudo, outros municípios que compoem o Agreste Meridional, por serem menores e com bem menos recursos, evidente que mandarão seus doentes para nossa cidade, afinal essas pessoas também precisam e merecem atendimento, uma hora vai ultrapassar os limites também dos nossos Centros de Atendimentos Médicos, gerando mal estar, atendimento acima da capacidade, ou seja não poderão prestar um ótimo serviço, pelo número que terminará superando em muito sua capacidade de operar um ótimo serviço.

    ResponderExcluir