terça-feira, 18 de novembro de 2014

ARBITRARIEDADES DO JUIZ ACLAMADO COMO DEUS

O famoso caso do juiz João Carlos de Souza Correa encerra boa parte dos problemas do Judiciário brasileiro, em especial o espírito de corpo.

A agente fiscal Luciana Tamburini, que o chamou de Deus numa batida da Lei Seca, quis ser irônica, mas foi precisa. Correa e seus colegas têm, de fato, natureza divina. Isso ajuda a explicar uma carreira tão rica em arbitrariedades permitidas e, em consequência, alimentadas por seus iguais.

Em 48 horas, recebeu dois presentes: o TJ do Rio de Janeiro manteve a decisão do desembargador José Carlos Paes condenando Luciana a pagar-lhe de 5 mil reais. E o jornal O Globo será obrigado a desembolsar 18 mil reais de indenização por causa de uma matéria de 2011 que contava, entre outras coisas, que Correa dera voz de prisão a funcionários de uma empresa que foram a sua casa cortar o fornecimento de energia por falta de pagamento.

Correa faz, basicamente, o que quer. Sua passagem por Búzios é recheada de escândalos. Titular da 1ª Vara da Comarca local entre 2004 e 2012, ganhou em 2011 um abaixo-assinado da população pedindo sua saída.

Brigou com turistas, deu voz de prisão a uma jornalista, teria tentando entrar num navio de cruzeiro para ir ao free shop. Autorizou o despejo de 10 mil famílias numa disputa por uma área de 5 milhões de metros quadrados. Um advogado reivindicava a posse da terra contra as pessoas que tinham registro por usucapião. O substituto de João Carlos em Búzios, Marcelo Alberto Chaves Villas, acabou anulando a medida, classificando-a como “constrangedora”.

A justificativa do desembargador Paes para manter a multa da fiscal Luciana Tamburini é memorável. “Tratando-se de uma operação de fiscalização do cumprimento da Lei 12.760/2012 (Lei Seca), nada mais natural do que, ao se identificar, o réu tenha informado à agente de trânsito de que era um juiz de Direito”, escreveu.

Bem, se isso não é carteirada, o que é? Se fosse um eletricista, digamos, qual teria sido o efeito da frase? Ainda segundo o desembargador, a fiscal “zombou do cargo por ele (Souza) ocupado, bem como do que a função representa na sociedade”.

O aspecto positivo do imbróglio é ter jogado luzes sobre os desmandos da categoria. Na internet, surgiram várias páginas de protesto contra o juiz.

“Eles só perdem mais crédito na sociedade”, disse Luciana, que declarou que vai recorrer “até ao tribunal de Deus” para reverter a decisão. Ela ainda não entendeu quem manda ali.

(Kiko Nogueira - Contexto Livre)

6 comentários:

  1. Roberto Bob Almeida, No mundo inteiro, quando se compara os três Poderes de uma democracia: Legislativo, Executivo e Judiciário, este último é o mais corporativo e corrupto. Viva o juiz que é Deus. Viva a cheirosa Elite Brasileira! Ruy Sarinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Fernandes Costa19 de novembro de 2014 01:00

      CONCORDO com o mestre Ruy Sarinho. - Além de corrupto, o Poder Judiciário quer ser intocável. - E só passa em concurso no Judiciário, quem for filho, genro, nora ou neto de juiz. - Nunca vi classe "tão inteligente" como os descendentes dos juízes!! - Descendentes, ascendentes e outras pessoas que se vinculam a eles, por afinidade. - O juiz que foi pra cadeia, foi porque não tinha prestígio no meio da corporação: Nicolau (Lalau) dos Santos. - Esse truculento aí acima, só pode sofrer alguma punição, se outras instituições pressionarem o Conselho Nacional de Justiça, a Corregedoria e os componentes dos tribunais que receberem as denúncias contra esse cafajeste do "sabe com quem está falando!?" - É ISSO. /.


      Excluir
  2. Pior que a ação deste juiz foi a reação dos seus Superiores que deveriam puni-lo, porém infelizmente passa a mão e acolhe seus mal feitos. Fala-se tanto do Executivo, fala-se tanto do Legislalativo e esquece-se que quem mais deveria dar o exemplo à esses dois poderes e a sociedade é quem comete arbitrariedades e deslizes como esse Juiz e seus pares e tendo como punição uma aquiescência dos seus superiores, infelizmente envergonhando à todos nós e a sociedade brasileira. Chama-se IMPUNIDADE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora no linguajar popular, toda safadeza, crime e ladroagem virou "Mal Feito" Assim como Presidente(substantivo comum de dois gêneros) virou presidenta, assim como Residente virou Residenta!!

      ESSE PAIS PRECISA PASSAR POR UMA REEDUCAÇÃO URGENTEMENTE PARA O POVO REVER SUAS PRIORIDADES!

      Excluir
    2. José Fernandes Costa19 de novembro de 2014 10:57

      Senhor Ewerton: procure ler, ao menos um dicionário! - NÃO precisa nem comprar o Volp (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa). - Todos os dicionários, inclusive os mais antigos e mais reconhecidos, registram o verbete PRESIDENTA! - Tanto em português, quanto no español, esse termo é legítimo. - E está nos dicionários. - Procure se instruir, antes de escrever e de falar. /.

      Excluir
  3. será que este rosto gordinho e brilhando é tudo gordura mesmo?? ou tem algo a mais no sangue deste juiz...ele foi parado em qual blitz mesmo???????.

    ResponderExcluir