SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

GAROTINHO DESMORALIZA TV GLOBO AO VIVO

Entrevistado ao vivo pela TV Globo do Rio de Janeiro, na terça-feira (17), o candidato a governador Anthony Garotinho (PR) humilhou e na prática desmoralizou o telejornalismo da emissora da família Marinho. Ao ser questionado sobre corrupção em sua gestão e da esposa, Rosinha, o representante do Partido da República perdeu a paciência e acabou detonando no ar o processo de investigação, conduzido pela Polícia Federal, que aponta para a sonegação de bilhões de reais em impostos pela empresa de comunicação. "Eu não sei se a Globo é culpada, eu até acho que é, mas é opinião minha, quem vai dizer isso é o juiz”, comentou Garotinho, com um ar levemente irônico, mas muito calmo.

A repórter disse ao candidato que o tema da entrevista não era a Rede Globo. Garotinho explicou, aparentando tranquilidade: "Eu sei. Só estou dizendo a você como as injustiças acontecem. A Globo pode estar sendo vítima de uma", afirmou. "Candidato, a Globo não sonegou nada", defendeu Mariana Gross. "Quem está dizendo isso é um inquérito aberto pela Polícia Federal", retrucou o ex-governador.

A jornalista, incomodada e jogada à lona pelo político matreiro, insistiu em questionar o ex-governador e o acusou de incoerente por fazer promessas de campanha que destoam das suas ações quando administrou o Estado. O candidato voltou a carga: Disse que muitas vezes a gente faz coisas e depois volta atrás. Nesse momento lembrou que a TV Globo apoiou a ditadura militar e depois pediu desculpas ao povo brasileiro pela sua posição política nos anos de chumbo.

Hoje o RJ TV leu uma nota sustentando as denúncias contra as administrações de Garotinho e Rosinha, mas sem tocar no assunto da investigação da Polícia Federal contra a sonegação de impostos, muito menos no caso de apoio à ditadura militar.

Garotinho começou sua carreira política com Leonel Brizola (PDT), que também teve divergências históricas com a Rede Globo. O pedetista acusou a emissora de tentar fraudar as eleições de 1982 no Rio de Janeiro e mais na frente conseguiu um direito de resposta de três minutos contra a empresa dos Marinho. “Não reconheço autoridade moral na TV Globo para falar sobre liberdade de imprensa, subserviente que foi ao regime militar”, escreveu Brizola, num texto lido por Cid Moreira, na época o âncora do Jornal Nacional.

Abaixo o link do RJ TV mostrando como Garotinho “deitou e rolou” nos estúdios da emissora.

4 comentários:

  1. O sujo x mal lavado, ou, quem tem telhado de vidro, não atira pedra no telhado do vizinho !!!!

    ResponderExcluir
  2. A Globo merece ser espinafrada por um picaterão da marca de Garotinho

    ResponderExcluir
  3. O problema é que colocaram uma criança mimada e subserviente para atacar um lobo. Muito boa lição.

    ResponderExcluir
  4. Garotinho sozinho teve mais coragem do que o PT inteiro!!!

    ResponderExcluir