terça-feira, 29 de outubro de 2013

ENERGIA ROUBADA EM PERNAMBUCO É IGUAL AO CONSUMO DA CIDADE DO RECIFE

As fraudes e ligações clandestinas, conhecidas popularmente como 'macaco', respondem por 8,7% da energia elétrica distribuída na área de concessão da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). Numa comparação simples, o percentual desviado ilegalmente equivale ao consumo de um mês de toda a cidade do Recife. São cerca de 230 gigawatts furtados, mensalmente, da rede de distribuição. 

Para tentar reverter essa realidade, a Celpe tem intensificado as fiscalizações e ações de combate ao furto em toda a sua área de concessão. Até o último mês de setembro, a concessionária havia realizado aproximadamente 110 mil inspeções em unidades consumidoras, principalmente em comércios e indústrias. Desse total, 30% foram consideradas procedentes. Outras 35 mil inspeções técnicas devem ser promovidas até o fim do ano. 

Uma outra ação desenvolvida pela concessionária é a regularização das unidades consumidoras que estavam sendo supridas por ligações clandestinas. Devido a essa ação, aproximadamente dez mil famílias deixaram de furtar energia e passaram a ser clientes da concessionária nos primeiros nove meses de 2013. 

Além das unidades consumidoras, a Celpe também promove ações de combate às ligações clandestinas em vias públicas tais como comércios ambulantes e lava-jatos irregulares. Foram mais de 1,2 mil até setembro. Até o final de dezembro, 1,6 mil ações devem ser concluídas. 

Além de representar risco de vida para pessoas e animais, a prática de gambiarras prejudica toda a sociedade. As ligações realizadas fora dos padrões de segurança expõem crianças e adultos ao perigo de sérios acidentes e podem provocar sobrecarga na rede elétrica, gerar oscilações, comprometendo a qualidade do fornecimento. A companhia lembra que o furto de energia configura crime, previsto no Artigo 155 do Código Penal Brasileiro. O infrator que for flagrado fazendo ligação clandestina pode pegar de um a quatro anos de reclusão. 

As denúncias sobre furto de energia podem ser feitas por meio do teleatendimento 0800 081 0120 ou pelo site www.celpe.com.br. (Da Assessoria de Imprensa da Celpe. A foto que ilustra a matéria foi capturada do Portal da Globo).

Um comentário:

  1. Nós pagamos nossas contas, não só por nosso consumo, mais pelo consumo daqueles que fazem gambiarras e não pagam as suas. Quando todos pagam, todos pagam menos. Para a fornecedora é mais cômodo aumentar o preço do kilowatt-hora, para aqueles que pagam, do que contratar profissionais pesquisar e acabar com o furto de energia, dos que podem e não pagam e daqueles que não podem pagar. Uma política diferenciada, aliás me parece que já existe e é razoável, para aqueles que tem um renda mínima e assim todos pagaríamos menos.

    ResponderExcluir