Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

GARANHUNS TEM O SEU APAGÃO PARTICULAR

Apenas 24 horas depois da falta de energia elétrica que atingiu praticamente todo o Nordeste brasileiro, um apagão particular incomodou hoje moradores de Garanhuns. As luzes se apagaram em alguns bairros da cidade antes das 16h, logo voltaram a acender, porém poucos minutos depois a energia sumiu de vez. Dessa vez o restabelecimento do sistema pela Celpe demorou cerca de três horas, quando já era noite e em muitas casas o jantar era à luz de velas. 

Numa primeira versão populares disseram que o problema decorreu da queda de um trabalhador nos fios de alta tensão,  enquanto fazia o serviço numa obra na Rua Quinze de Novembro, nas proximidades do antigo Senadinho. 

Vladimir Eletricista, como era conhecido, caiu em cima dos fios da rede elétrica e morreu eletrocutado. Funcionários da Celpe esclareceram, no entanto, que o apagão veio por conta de uma falha numa subestação da cidade. É importante frisar que o apagão local afetou apenas alguns bairros, principalmente a Boa Vista e Heliópolis.

Um comentário:

  1. Minhas condolências a família enlutada e ao povo de Garanhuns. Mesmo não guardando relação com a matéria publicada, vejo momento oportuno para refletir sobre determinado assunto. Foi veiculada a notícia de que o Prefeito Izaias Régis pretende abrir concurso no Município ainda essa ano. Gostaria de saber quando o Prefeito de Garanhuns (cidade de grande porte), defensor da máxima "choque de gestão", irá adotar a postura responsável de criar a Procuradoria Municipal como órgão permanente da Administração e os respectivos cargos efetivos de Procuradores, Advogados, Assessores, Consultores Jurídicos de carreira, tanto na Administração Direta quanto na Indireta. O Município precisa de isenção quanto a atuação desses profissionais a fim que a defesa do interesse público (não do administrador) não fique sujeita às conveniências políticas nem ao bel prazer do Chefe do Executivo. Não é razoável nem recomendável que tais cargos sejam de provimento em comissão e alguns contratados mediante processo licitatório, modalidade convite ou inexibilidade e ainda, em algumas situações, de forma direta, sem emprego de qualquer formalidade (há caso na Assistência Social), o que é vedado por lei. Quiça Garanhuns seja exemplo e o Exmo. Sr. Prefeito inclua no rol de seu "concurso" tais cargos. recomendo a especial atenção do Ministério Público quanto a essa necessidade, caso inerte permanece o Executivo Municipal quanto ao assunto. Sugiro ao Poder Legislativo, mormente ao Vereador Sivaldo Albino, interferências quanto ao assunto. Gabriel Dantas - Contabilista e Bacharel em Direito.

    ResponderExcluir