Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

segunda-feira, 11 de março de 2013

ESTUDO MOSTRA DISPARADA NOS PREÇOS NA CEAGA

Estudo realizado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos mostra que a estiagem está provocando uma alta nos preços dos legumes e verduras em Pernambuco. Para estudar a situação, foram analisados os valores dos produtos das Centrais de Abastecimento de Garanhuns e Recife no mês de fevereiro dos anos de 2011, 2012 e 2013.

Segundo o diretor de Desenvolvimento Rural, Rômulo Fernandes, para retirar o efeito da inflação, os preços dos anos anteriores foram corrigidos pelo Índice Geral de Preços em Disponibilidade Interna (IGP-DI). “É importante destacar que a inflação , medida pelo IGP-DI, ficou em 7,85% no período de fevereiro de 2012 a fevereiro de 2013”, informou.

O repolho foi o produto que apresentou maior alta, com 163,1% de aumento. O preço passou de uma média de R$1,70 para R$4,50. Em seguida aparece o tomate, com 133,0% de aumento. A disparada nos preços é resultado da seca no Nordeste e do excesso de chuvas e das altas temperaturas na região sudeste do país.
O agricultor Geraldo Luís da Silva é um exemplo de quem sofre com o problema. Ele planta repolho há 48 anos e atualmente precisa comprar de fornecedores da Bahia para revender. Segundo ele, por feira, antes conseguia vender 500 sacos de repolho. Hoje, vende de 100 a 150. “Caiu muito a procura e, consequentemente, a venda. Antes eu cobrava R$25,00 por 20kg do produto, e hoje a mesma quantidade é 65,00 reais”, disse.

A macaxeira trazida de outros Estados, também foi afetada por conta do aumento de preço dos combustíveis no início deste ano. A oscilação foi de R$17,90 para R$40,00, oque representa alta de 123,4%.

De acordo com o professor da UFRPE, Epaminondas Borges Filho, a pesquisa mostra que a seca não afeta só o campo, mas também a comercialização dos legumes e das verduras. “O produtor rural sofre com as mudanças climáticas e, com isso, alguns dos produtos que ele fornece para quem comercializa perde na qualidade ou na quantidade. É um processo que afeta a todos, inclusive o consumidor”, afirmou.

Os produtos que apresentaram menor alta foram o quiabo (12,1%) e a batata doce (2,7%).

PRODUTO - AUMENTO

Repolho – 163,1%
Tomate – 133,0%
Macaxeira – 123,4%
Cebolinha – 120,1%
Chuchu – 119,7%
Alface Lisa – 111,3%
Coentro – 99,1%
Alface Crespo – 97,6%
Repolho Roxo – 90,7%
Pimentão – 88,9%
Maxixe – 87,8%
Cebola – 74,6%
Inhame – 72,3%
Pepino – 69,0%
Couve – 64,2%
Cenoura – 64,1%
Pepino – 50,0%
Beterraba – 46,4%
Berinjela - 39,5%
Jiló – 39,2%
Abóbora Jacarezinho – 37,6%
Alface Americano – 34,7%
Abóbora Cabocla – 31,1%
Vagem – 30,6%
Quiabo – 12,1%
Batata Doce – 2,7%

Texto: Cloves Teodorico/ Foto: Hélida Carvalho/Secretaria de Comunicação Social

2 comentários:

  1. Enquanto a seca durar em toda esta região, será critico e complicado, porque se recebe pouco e sempre se gasta o que não tem condições.

    ResponderExcluir
  2. Depois de 16 anos praticamente sem inflaçao essa disgraçada da dilma tá resucitando. Eita dilma imcopetente.

    ResponderExcluir