SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O FORROBOM E O FESTIVAL DE INVERNO

Uma verdadeira via crucis para tentar realizar uma boa festa no interior. Essa é a conclusão que se pode tirar do texto de Felipe Alapenha, publicado em seu blog, contando toda a história da luta para que fosse fechada a programação do Forrobom deste ano. Verdade que o Governo do Estado e a Fundarpe têm suas razões para complicar e burocratizar as coisas um pouco mais no atual momento, por conta dos investimentos prioritários do Estado nas cidades atingidas pelas cheias. Mas investir somente em Gravatá, Caruaru e Arcoverde e deixar em situação difícil a única cidade do Agreste Meridional que planejou uma festa à altura é até covardia. Na verdade falta transparência e democracia, o que vem do Recife é enfiado de goela abaixo e nós interioranos temos de nos submeter. Tudo que foi escrito por Felipe (texto reproduzido também no blog de Ronaldo César) nos abre os olhos para o que deve estar passando a Gabriela Valença e sua equipe com relação ao Festival de Inverno. Está tudo atrasado, cortes devem ter sido feitos e dá até medo o que vem por aí em termos de atração do FIG. Os prefeitos do interior, os secretários de cultura, a CODEAM e a AMUPE deviam trabalhar em conjunto, fazer um planejamento e pressionar para tentar tirar os municípios dessa submissão. Dá para perceber que o Governo do Estado, por ter o dinheiro e mais poder, submete as cidades do interior a uma verdadeira humilhação. Os prefeitos e secretários não abrem a boca, temendo retaliação, contudo a situação é essa, não dá para esconder. Como tenho alguma liberdade de escrever na condição de jornalista, escancaro essas minhas impressões e defendo um posicionamento dos políticos do Agreste e de outras regiões de Pernambuco. É preciso que a Fundarpe e outros órgãos do Governo Estadual tenham uma maior abertura e mais diálogo com os representantes dos municípios, evitando situações como essa do Forrobom, que devem estar se repetindo na formatação do misterioso Festival de Inverno 2011.

2 comentários:

  1. Até que enfim, alguém viu o óbvio, na nota do Felipe, meu menino. É um atestado de fraqueza política, e o Roberto mostra que não é só de Bom Conselho. O Conde Eduardo está humilhando nossas cidades e nossos prefeitos, para continuarem agarrados às benesses do Estado patrão, comandado com mão de ferro e sem oposição pelo ilustre Conde, não são capazes de dizer nada.

    Em texto que escrevo hoje no Blog da CIT (link no meu nome acima), eu me refiro á situação de Bom Conselho somente, por ter direito a fazê-lo como cidadã interessada nos destinos políticos do meu povo. Confesso que dar vontade de pecar e mandar o conde e seus asseclas para lugares muito ermos e fedorentos.

    Passadas a eleições o que se vê é um festival de promessas descumpridas e caro Roberto, não me venha com esta que o Estado tem suas razões para mitigar as verbas. Vejam outras cidades e setores onde o Conde quer consolidar seus apoios que não faltam verbas. Agora aqueles onde ele acha que está tudo dominado, vivem à míngua.

    Eu digo que a nota do Felipe, meu menino, conta menos a favor e mais contra sua mainha. Ele perdeu uma grande oportunidade de fazer uma traquinada do lado contrário, chamando os órgãos competentes como Fundarpe e Empetur pelos seus próprios nomes: “órgãos incompetentes”. Ele chega a ponto de elogiar um dirigente de uma dessas repartições públicas por chamar uma equipe de Bom Conselho para lhe dizer, mais ou menos que: "olhe, você terão 20% do que tiveram o ano passado, mas vocês farão um trabalho brilhante".

    Onde estava a Mamãe Juju para pegar um cara desses pela gola (meu Deus me perdoe) e entregá-lo ao governador, de cima da votação que ele teve no município. Se eu fosse uma vereadora, e para isto Deus sabe como estou lutando contra tudo e contra todos, eu sairia direto da Casa de Dantas Barreto para fazer o mesmo. Mas, o que se vê. O medo de represália. E isto que o Conde está fazendo é pior do que represália?

    Eu penso que o Felipe, talvez pensando erradamente, em ser um político tenha perdido uma grande chance de ser um Político, com P maiúsculo e ajudado Bom Conselho com sua inteligência, dizendo que lá existe povo, e não é só para votar nele. Temos vergonha na cara.

    Mas, a grande façanha do Felipe até agora foi dizer que eu não existo. Coitados de nós, de Bom Conselho.

    Lucinha Peixoto (Blog da CIT)

    ResponderExcluir
  2. Roberto e Lucinha, acho que o que o povo daki de BC e de Garanhuns precisam é de mais leitura, livros, ideias e não forró tais como o blog do Roberto listou dia desses: mulher roleira e zé priquito vão melhorar o IDH de BC? Isso é coisa para enrolar os coitados alienados. Construam bibliotecas.

    ResponderExcluir