Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Governo de Pernambuco

O DIA DO LIVRO

A TV Globo exibiu ontem à noite uma bela reportagem sobre o Dia do Livro. Mostrou que apesar da televisão, do rádio, do DVD, da internet e toda parafernália eletrônica o livro continua indispensável. Outro dia citei aqui a  autobiografia de Li Cunxin, um chinês que saiu da pobreza do seu país e se tornou um bailarino de renome internacional. Nenhuma reportagem de TV, nem mesmo uma boa produção cinematográfica irá substituir o que foi escrito pelo asiático, hoje ocidentalizado. Nunca nenhum diretor conseguiu transportar o talento de Machado de Assis para a telinha ou para a tela grande. Nenhum dos grandes romances do russo Dostoiévski rendeu uma obra prima no cinema. E além da Literatura, temos os livros de História, Religião, Filosofia, Sociologia, Matemática, Geografia e Ciências em geral. Livros alimentam o espírito, a inteligência, afastam os homens da bárbarie, erradicam a ignorância e a miséria intelectual. Infelizmente, no Brasil temos menos bibliotecas, menos livrarias e menos leitores do que na Europa, nos Estados Unidos e perdemos até para alguns países da América Latina. Essa é uma das razões de nosso atraso em muitas áreas. Monteiro Lobato (na foto com o personagem Emília), o imortal escritor brasileiro, escreveu muito tempo atrás que um país se faz com "homens e livros". Esta frase continua atual, os seres racionais continuam precisando da boa leitura, sem ela se nivelam aos brutos, aos animais, aos pré-históricos. Quem despreza um bom livro é antes de tudo um homem (ou mulher) incompleto (a). Sabe menos e às vezes imagina saber mais. Parafraseando Lobato: Uma nação se constrói com homens e ideias. E essas estão sobretudo nos livros.

3 comentários:

  1. Quiseramos nós que as classes que por anos a fio se fizeram poder neste país tivessem tido a compreensão que o seu texto narra. Ao contrário, para se perpetuarem no poder fazia-se a política do quanto menos instruído o povo melhor para se manobrar. Por isso não avançamos tanto com os livros que culturalmente, para a maioria de nós brasileiros, serve apenas para enfeitar estantes ou deixá-los empoirar em algum lugar pela casa. Não se lê, logo não se tem ideias, e a nação que construímos parece ser meramente de homens e vontade. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  2. O LIVRO LIBERTA, INSTRUI, VITALIZA , RELAXA E ORIENTA.

    QUANTAS VEZES EU VISITEI O LIVRO 7 EM RECIFE, A BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO E UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO.


    QUANTAS VEZES EU TROUXE OS LIVROS PARA LER EM CASAS E DEPOIS DEVOLVIA TODOS.

    A LEITURA É MUITO IMPORTANTE PARA LIBERTAR O ESPÍRITO DAS TREVAS PARA A LUZ E PARA FORMAR HOMENS E MULHERES COMPETENTES.

    CONCORDO PLENAMENTE COM EDVAN SOARESAo" para se perpetuarem no poder fazia-se a política do quanto menos instruído o povo melhor para se manobrar".

    MEU CARO, AINDA HOJE PERPANECE EM PARTE ESTE ATRASO.

    A NOSSA POLÍTICA BRASILEIRA ESTÁ CHEIA DE EXEMPLOS DESTA NATUREZA.

    QUANDO A GENTE PERCEBE QUE A NOSSA CLASSE POLITICA DERA UM GOLPE NAS CONTAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE A GOVERNADOR, DE DEPUTADO A SENADOR , DE VEREADOR A UM JUIZ, ISTO TRADUZ O QUANTO ELES FAZEM O POVÃO DE BOBO.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente os governantes querem o povo burro para poder comandar melhor.

    Mesmo com todo aparato tecnológico e os novos livros e-books nada substitui o prazer de folhear o livro, a leitura se configura como um poderoso e essencial instrumento libertário para a sobrevivência do homem. Para Freire, o ato de aprender a ler, a escrever, a alfabetizar-se é, antes de tudo, aprender a ler o mundo, a entender o seu contexto; é saber os porquês de tantas indagações sem respostas como a fome e a miséria. Aprender a ler o mundo é não se contentar em apenas escrever algumas palavras, sem compreender a dinâmica que une linguagem e realidade. Assim, aprender a ler e escrever são atos de educação que por sua vez deve estar comprometida com a libertação dos homens. Para Paulo Freire o ato de ler e educar é um ato essencialmente político.
    O livro nos traz o poder de acrescentar algo em nossas vidas, e é só com o conhecimento é que as pessoas mudam e podem mudar a sua realidade.

    ResponderExcluir