quarta-feira, 13 de abril de 2011

MILITARES QUEREM PROIBIR NOVELA DO SBT

A novela "Amor e Revolução" vem rendendo na internet, apesar de a audiência ainda estar aquém do esperado na TV.
Desta vez, um portal militar resolveu fazer um abaixo-assinado contra a novela de Tiago Santiago, que aborda o período da ditadura militar no Brasil.
Os donos do site querem que a trama seja proibida de ir ao ar no SBT.
No texto, os autores dizem que "é óbvio que o governo federal através da comissão da verdade, recém criada, está participando do acordo em exibir a novela Amor e Revolução no SBT. Parece-nos que se trata de um acordo firmado com o empresário Silvio Santos, visando o saneamento do Banco Panamericano do próprio empresário. As forças armadas não devem permitir, dentro da legalidade, que tal novela seja exibida, pelos motivos óbvios abaixo declarados. Convém salientar que as forças armadas já se manifestaram negativamente a respeito da novela Amor e Revolução".
E completam: "sendo assim, o efetivo da forças armadas, tanto da ativa como inativos e pensionistas, vêm respeitosamente através desse abaixo assinado, como um instrumento democrático, solicitar do digno Ministério Público Federal, representado acima, providências em defesa da normalidade constitucional, vista o cumprimento da lei de anistia existente, conforme já decidiu o Supremo Tribunal Federal. Nestes termos pede deferimento em caráter urgentíssimo".
Procurado pelo NaTelinha, o novelista Tiago Santiago falou sobre o protesto: "Achei despropositado, porque a novela é respeitosa com as Forças Armadas, mostrando herói militar e oficiais democratas, a favor da legalidade. Em diversos trechos da novela, há menções favoráveis a militares, evidenciando que nem todos participaram do golpe e da violenta repressão à oposição".
Santiago também comentou sobre a ideia de que a novela foi feita após o saneamento do banco Panamericano: "o argumento de que a novela teria qualquer coisa a ver com o saneamento do Banco Panamericano também não procede. A proposta partiu de mim para o SBT e não vice-versa. Comecei os trabalhos antes de saber que havia qualquer problema com o Banco e antes de saber também que a Dilma seria eleita presidente".
E concluiu: "enfim, achei uma iniciativa despropositada, que interessa apenas aos criminosos, torturadores e assassinos, que violaram as Convenções de Genebra, nos chamados ’anos de chumbo’ da ditadura militar".
A colaboradora de Tiago Santiago em "Amor e Revolução", Renata Dias Gomes, também falou com o NaTelinha. Ela comentou que "felizmente a ditadura e a censura acabaram e hoje a gente pode contar uma história sem medo. Ou deveria poder". (Enviado por Fátima Farias. Fonte:  http://natelinha.uol.com.br/noticias).

**Na foto o elenco da novela do SBT que está causando polêmica.

3 comentários:

  1. Amigo Roberto Almeida,
    Viva a Argentina!...
    Admiro o povo argentino, com um sangue mais latino que o nosso, brasileiro.
    Lá, a Justiça julga e bota na cadeia os militares- torturadores da ditadura.
    Punem os militares que mutilaram, torturaram e cortaram centemnas de vidas de jovens que, apenas, queriam viver a democracia.
    Militares de todas as ditaduras da América do Sul, financiadas e forjadas pelos Estados Unidos da América, pela CIA, deveriam, sim, ser julgados e pagarem pelos seus crimes, hediondos.
    Aqui, esses militares-torturadores ainda se acham no direito de censurar o tema ditadura de 1964.
    Vergonha!
    Pela Comissão da Verdade, Tudo!

    Ruy Sarinho
    Olinda/PE

    ResponderExcluir
  2. A novela Amor e Revolução nem bem estreou e já começa a incomodar certos setores da sociedade brasileira, na história, que tem como pano de fundo a época da
    ditadura militar no país. Só criminoso é contra a novela e fala mal dela. Apenas torturador que não pagou por seus crimes têm medo de ver exposta toda a barbaridade que o regime militar aplicou no Brasil. A novela se mostra aquém porque infelizmente muitos da sociedade têm o absurdo de se dizer a favor da época da ditadura ou então preferem ver na TV temas mais fúteis que não exijam tanta reflexão. O projeto da novela de Tiago Santiago de repassar a história do Brasil daqueles anos é muito ambicioso e rico em acontecimentos importantes de 1964 a 1972″. Entram no contexto do folhetim prisões, perseguições, torturas, revolução na moda e comportamento, movimento hippie e pacifista e festivais em plena ditadura militar.
    O Brasil tem um passado e um presente de tortura muito fortes. Primeiro começou lá com a escravidão, depois o Estado Novo, a Ditadura e ainda hoje a gente tem essa realidade. Mesmo assim, não é de surpreender que uma parcela queira tapar o sol com a peneira. A memória histórica do país é patrimônio inalienável do povo brasileiro.
    Abaixo segue o link “EU APOIO A TRANSMISSÃO DA NOVELA "AMOR E REVOLUÇÃO" NA EMISSORA SBT!” que será enviada para PAULO BERNARDO SILVA Ministro das Comunicações.

    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N8794

    ResponderExcluir
  3. Isso é coisa de Jair Bolsonaro (rsrsrs). O que os militares querem? Que esqueçamos o que foi feito no passado pelo país? Coisas que ainda hoje refletem na forma de agir da polícia de nossa nação? Já não basta pagarmos tantas coisas e não termos retorno quase que nenhum e ainda querem volta da censura? Militares que fizeram o que fizeram no passado não merecem perdão e nem esquecimento do povo !

    ResponderExcluir