Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

INGRATIDÃO

Não queremos cansar o leitor falando do mesmo assunto, mas é difícil não se indignar contra a ingratidão até na hora da morte. O professor José Rodrigues foi escrivão de polícia, professor do Colégio Diocesano 18 anos, trabalhou na Prefeitura de Garanhuns a partir de 1958 e só saiu de lá para se aposentar. Por onde passou ajudou muitas pessoas. Atuou nos rádios, nos jornais,  fazendo amizades ao longo da vida e se recusando a trocar sua cidade natal por qualquer outra. No seu sepultamento só apareceram os familiares e alguns amigos de verdade. Do ramo rico da família, Dr. Ivaldo Rodrigues, com mais de 80 anos, esteve presente no velório. Não há dúvida de muitos foram ingratos com Zé Rodrigues, homenageado em quase todos os blogs de Garanhuns, porém esquecido por outros que não tiveram tempo ou não quiseram se despedir do cronista. Como não era encrenqueiro e todos lhe queriam bem só temos uma explicação: não foi prestigiado por seus conterrâneos e conhecidos porque era uma pessoa pobre e humilde.

10 comentários:

  1. Acho engraçado, que em momento algum, ninguém, mais ninguém mesmo, lembrou que o nome do Prof. José Rodrigues, também, era José Inácio Rodrigues, além do mais quase que ñ identificava, só o nome José Rodrigues, tem mais ele também, em hora alguma foi lembrado como ex-vereador, ex-prefeito. Porque?????????? Era bom uma justificativa muito boa p/ tal.

    ResponderExcluir
  2. HOMENS NOS DECEPCIONAM,POIS O SENHOR DIZ"VAI,SEGUE MEU FILHO,POIS EU ESTOU CONTIGO"

    ResponderExcluir
  3. Infelismente não pude me despedir do meu Mestre.Adoeci.Senti muito não puder participar.Fica as minhas desculpas a família.

    ResponderExcluir
  4. BOM DIA MEU CARO CONFRADE!!!A vida é mesmo assim."OS QUE MUITO FAZEM,POUCO SERÃO LEMBRADOS"(santo agostinho).Como ateriormente postei,volto a afirmar tudo sobre "O VELHO MESTRE","PROFESSOR JOSÉ RODRIGUES".Nascido e criado na "TERRA DA GAROA".Emergiu para vida vindo de uma vida pobre e sofrida,Oriundo de uma família pobre conseguiu galgar a duras penas um lugar de destaque no rol dos homems de bem.De varredor de rua a professor,tudo graças a benevolência do grande "MONSENHOR ADELMAR" que sugundo afirmava "O VELHO MESTRE" foi seu segundo pai.Acolhendo-o naquela casa JUSTA E PERFEITA proporcionado ao mesmo casa,comida e estudo gratuito.Segundo o mesmo devia tudo na vida ao "PADRE",referindo-se ao "MONSENHOR ADELMAR".Passou na vida como um homem exemplar,porém nunca conseguiu ser um homem rico,tendo inclusive abandonado o curso de DIREITO nos anos 60 em CARUARU por não ter concições de pagar os estudos,chegando a cursar até o sexto período.Aqui na terra não fez fortuna material mais deixou um legado moral invejável.Frequentou todas as camadas sociais de GARANHUNS,sendo sempre respeitado como referência de honestidade e retidão,participou ativamente de nossa politica partidaria,sendo adimirado por tadas as correntes ideológicas.Com todos estes atributos foi esquecido em seu momento derradeiro por aqueles que se diziam amigos."A INGRATIDÃO É FILHA DA SOBERBA".(Miguel de Cervantes)O "VELHO MESTRE" merecia muitos LOUROS por parte da nossa sociedade mais não os teve,pelo menos em seu último momento aqui entre nós,espero que um dia seja lembrado diferentemente,a história dirá.Que os "HOMEMS LIVRES E DE BOMS COSTUMES" sigam o exemplar modo de viver do "VELHO MESTRE"e soergam uma sociedade mais reta e justa.Obrigado RUBERRTO pela deferência que fez em seu blog ao "VELHO MESTRE".SAUDADE ETERNA.P.S. GARDINO LOBISOMEM

    ResponderExcluir
  5. Respondendo ao anonimo(20:53),

    Esse professor que moreu nao tem nada qui ver com o prefeito zé inaço rodrigues. Eu conheço aquela doidinha que publicou errado essa morte. Aquela dona do blog sinaculo é aluada, meteu os pes pelas mao e nao sabe o que diz. Ta tudo errado o que ela escreveu ela tem o juizo meio rim pode ver.

    ResponderExcluir
  6. Por duas vezes encaminhei comentários alertando a "dona" do blog Sínaculo do erro e a mesma deletou ambos e permanece com o equívoco no blog.

    ResponderExcluir
  7. MEU CARO AUGUSTO SOUTO....nobre "MUXILEIRO" fiquei deverasmente aborrecido com a nobre suposta jornalista do blog do jornal SINÁCULO,tentei alertá-la,tudo em vão...fui o primeiro a obeservar o lápso que ela cometeu,inclusive postei para o RUBERTTO tentar entrar em contato com a mesma.ERRO GRAVE - Permanecer com a noticia de dominio público mesmo estando o fato inveridico.UM ABRAÇO NOBRE MUXILEIRO.P.S. GARDINO LOBISOMEM

    ResponderExcluir
  8. ROBERTO ALMEIDA. VOCÊ FOI AO ENTERRO DE JOSÉ RODRIGUES?

    ResponderExcluir
  9. Meu caro anônimo,

    Eu não fui ao enterro de Zé Rodrigues. Desde que voltei do Recife vivo, depois de passar por uma cirurgia complicada, ficando com a saúde abalada, não fui mais a nenhum enterro. Nem do meu pupilo Thiago, nem de Ulisses, J. Ferreira ou Zé Rodrigues. A todos queria bem. No dia de Aluízio Alvea ainda tentei, mas comecei a passar mal e minha conterrânea Maria Almeida percebeu e me aconselhou a ir para casa. Desde esse dia acompanho essas viagens indesejáveis à distância, reverencio as memórias de cada um escrevendo, jogo meus sentimentos sinceros no computador e ocasionalmente compartilho com os leitores. Estive na casa do Zé, na Bela Vista, logo quando ele adoeceu. Já tendo lapsos de memória, ainda disse "Não é o jornalista?". Foi triste mais gostei porque no meu último contato estava vivo, ainda parecia o velho professor com quem tantas vezes conversei pelas ruas de Garanhuns. Sobre ele escrevi três post neste blog, talvez seja a minha desculpa por evitar velórios e enterros. Pode ser fragilidade física, pode ser covardia, pode ser outra coisa. Só não é ingratidão. Cada um desses está no meu coração e nas minhas orações. Deus sabe que os tenho comigo e que choro por eles, mesmo que as lágrimas não aflorem ao meu rosto. Espero que os meus amigos que partiram se deem por satisfeitos com o que escrevo e perdoem minha ausência física. Há quase cinco anos não vou um enterro e vai doer muito no dia em em que precisar estar presente em algum. Se as pessoas não puderem compreender, que Deus me compreenda e me conforte.

    ResponderExcluir