sexta-feira, 17 de setembro de 2010

LULA O ESTADISTA


Quando de sua Convenção, em Brasília, Serra fez um discurso impecável. Gostei tanto que postei na íntegra, aqui no Blog. Acho que fui um dos poucos - não somente em Garanhuns, mas no país - que fez isto. De lá pra cá, o tucano mudou o rumo da campanha totalmente. Não sobrou nada daquele discurso. Hoje vou postar um texto tão longo quanto aquele. São apenas trechos de uma entrevista de mais de uma hora que o presidente Lula deu hoje ao IG. Muita gente escreve bobagem sobre o presidente: Afirmam que ele é mentiroso, ignorante, corrupto, grosseiro, machista, analfabeto... Coisa de quem não sabe respeitar os contrários, os adversários ou pelo menos o cargo de Presidente do Brasil. A entrevista de Luiz Inácio, para quem tiver a paciência de ler o que selecionei (quem desejar a íntegra está no IG, com vídeo e tudo), é a prova de que ele não chegou onde está por acaso. É inteligente, tem visão de Brasil e de mundo. Sabe fazer política. Teve habilidade para vencer todas as forças - que foram muitas - que tentaram derrubá-lo. E se a direita raivosa e a TV Globo (não seria a mesma coisa?) deixarem conseguirá fazer a sua sucessora em outubro próximo. Vamos à entrevista.

SERRA E AS PESQUISAS

"...Acho que o Serra está vivendo esse drama. Ou seja, nós temos de nos conformar e esperar outra oportunidade. Eu tive paciência de esperar. Eu tinha menos idade do que o Serra tem hoje. Então, é duro. Olha, posso dizer a vocês por experiência própria, é duro, é duro quando você vai dar uma entrevista que o cara pergunta pra você: 'E as pesquisas?'. E você está lá embaixo, ganhou três pontos. E esse negócio de falar que não acredita em pesquisa, é só quando a gente está por baixo".

LULA E DILMA

"Eu sou um homem de rua. Eu sou um homem que o meu forte na política não é dentro de um gabinete com ar condicionado. O meu forte é na rua conversando com as pessoas. É dali que eu extraio a minha energia, é ali que meus adversários ficam preocupados, é dali que algumas pessoas insinuam bobagem, como o Fernando Henrique Cardoso insinuou.

"A Dilma, ela tem inteligência acima da média das pessoas que eu conheço. A capacidade da Dilma de captar as informações que ela recebe é extraordinária. Sabe, eu sempre disse que as pessoas iriam se surpreender, porque quando a Dilma não era política, quando eu propus o nome da Dilma, você vai conversar com político mais experiente eles falam assim: 'Ah, o Lula tá por fora. Está indicando uma mulher que ninguém conhece, uma mulher que nunca fez política, não tem nenhuma experiência, nunca participou de um debate. Ah, ela vai ser triturada". Por que as pessoas não a conheciam".

O PESO DO CARGO

"O ritual de ser presidente é muito pesado. Ou seja, você tem um ajudante de ordem que diz o que você tem que fazer a cada hora. Você tem um chefe de cerimonial que escolhe a cadeira para você sentar. Você tem a equipe que prepara, é um negócio que você se sente sufocado. Tem vezes que tem tanta gente fazendo as coisas por você que dá vontade de gritar: 'Pelo amor de Deus gente, deixa eu respirar. Deixa eu fazer alguma coisa'."

O MENSALÃO

"Do ponto de vista da política política o período do mensalão foi o pior possível. Eu quero estar vivo para ver o desfecho de tudo isso. Porque tem coisa um pouco esquisita que eu não consigo entender. Talvez minha sabedoria não consiga entender. O acusador do mensalão foi cassado por falta de prova. O texto da cassação dele da Câmara dos Deputados diz que o cidadão fundamental (para o caso) ia ser cassado, por falta de decoro parlamentar porque não provou as acusações que fez. E o processo continuou como se nada tivesse acontecido. Ou seja, se criou um clima político no Brasil, eu diria, muito temeroso e muito desconfortável.

"Um dia comecei a meditar e eu disse o seguinte: 'Olha, o Getúlio Vargas foi muito forte entre 34 e 45, mas não aguentou quatro anos de democracia e se matou. O João Goulart, o Jânio Quadros que era representante de um setor atrasado da política brasileira, foi lá, presidente da República. Com seis meses, puxou o carro o cargo. O João Goulart foi convidado e falou: 'Olha, comigo não vão fazer isso'. Vão ter que me vencer, na rua.

"Vamos ser francos, os setores mais conservadores do Congresso Nacional pensaram em chegar a impeachment".

O HUMOR DO PRESIDENTE

"Hoje sou muito mais, muito mais bem humorado. Hoje eu acredito em coisas que eu não acreditava. Sou um homem...Eu só tenho motivo pra ter alegria. Todo santo dia, agradeço a Deus pela generosidade que Ele teve comigo. Sou uma pessoa hoje muito, muito, muito feliz. Sairei da Presidência pela porta da frente, sabe, com a consciência tranquila de que eu fiz muito, mas, ao mesmo tempo, de que esse muito que nós fizemos apenas descobrimos que ainda temos muito mais pra fazer."

A REVOLUÇÃO DA INTERNET

"A grande imprensa ainda não aprendeu a lição. Hoje 68 milhões de brasileiros acessam a internet, onde a informação é mais rápida e ela não aparece com gosto de pão velho. A internet é pão pão queijo queijo.

"Daqui a pouco a gente tem 100 milhões navegando, daqui a pouco a gente tem 120 milhões navegando.

"Os velhos padrões da televisão vão ficar cada vez mais cansativos. O velho padrão do jornal vai ter que se modernizar, as revistas semanais vivem um sufoco danado. Eu compreendo a dificuldade de se fazer uma revista semanal. Antigamente você tinha um jornal que superava ela todo dia, a televisão e o rádio todo dia.

Mas agora você tem a internet que supera a todo minuto."

RELAÇÃO COM O POVO

"A primeira coisa que você tem que ter na relação com o povo, é ser muito verdadeiro. Normalmente a classe política adora ir para o meio do povo quando está bem na pesquisa. E tem muito medo do povo quando está mal na pesquisa. Quando você é candidato, você adora andar em carro aberto dando a mão para todo mundo. Quando você se elege você é doido para andar num carro blindando sem ninguém te ver.

"Sabe, eu estabeleci uma relação com o povo que era a única que eu sabia fazer e a única que é melhor. O mais certo com o povo é ser sincero. É você ter coragem de dizer não quando tem que dizer não, dizer sim quando precisa dizer sim. Fazer um esforço necessário para atender as pessoas. Estabelecer uma relação real. Uma relação de parceria que ele se sinta, a coisa que me dá mais prazer, a coisa que me dá mais prazer é que o grande legado que eu vou deixar no País é que na primeira vez, não sei se no Brasil ou se em vários países do mundo, os trabalhadores sentem que têm um igual a eles no poder".

REALIZAÇÕES DO GOVERNO

"Nesses sete anos, eu me reuni todos os anos com todos os reitores de todas as universidades federais deste País e com todos os reitores das universidades técnicas. Parece pouco e eu sei que, muitas vezes, você fala por que o Lula repete tanto isso? Mas nunca antes na história do País, nenhum presidente, nenhum ministro da Educação, mesmo os que foram reitores, se reuniram com o presidente.

"A maior realização que eu tenho é por ter terminado meu governo tendo vencido todos os preconceitos que foram colocados como obstáculo para que eu chegasse à Presidência da República. Nunca na vida, os empresários brasileiros ganharam tanto dinheiro, de todos os segmentos, nunca os trabalhadores tiveram tantos acordos com aumentos reais e nunca os pobres tiveram tanta ascensão como têm agora".

DEPOIS DA PRESIDÊNCIA

G - Do que o senhor vai sentir mais saudade? É da agitação? O Fernando Henrique tinha falado que ia sentir saudade da piscina do Alvorada.

"Ele disse que ia sentir saudade da piscina e do helicóptero. Eu não vou sentir saudade de nenhum dos dois. Eu acho que eu vou sentir saudade da agitação do cargo. Eu lembro de quando eu fui preso e voltei para o sindicato, eu tava cassado. Eu levantava de manhã e ficava igual uma barata tonta. Eu não tinha para onde ir.

"É por isso que eu não quero tomar nenhuma decisão precipitada. Eu quero primeiro saber aonde é que vai doer. Eu quero voltar a ver jogo do Corinthians no Pacaembu, de preferência junto com a Gaviões ali, com a camisa do Corinthians. Sabe, então eu quero voltar a ser um cidadão normal."

6 comentários:

  1. ......... Eu quero voltar a ver jogo do Corinthians no Pacaembu, de preferência junto com a Gaviões ali, com a camisa do Corinthians. Sabe, então eu quero voltar a ser um cidadão normal."........AÍ, VAI TER TODO O TEMPO DO MUNDO PARA CARREGAR ISOPOR DE CERVEJA NA CABEÇA........

    ResponderExcluir
  2. Prezado Roberto,

    Você sempre inspira os meus comentários e, parece, os de Altamir, também. O problema, como você sabe é que eles são muito longos, decorrentes de minha prolixidade natural. Aí eu os faço no Blog da CIT, onde habito, e coloco o link prá ele no meu nome ai em cima, se você tiver, como sempre teve, a gentileza de publicá-lo.
    Lá escrevi algo que estou em dúvida. Não sei quem chama Lula de o Seboso de Caetés, se o Blog Chumbo Grosso, ou o Rafael Brasil. Caro, Rafael, se não foi você, mil desculpas.
    Um abraço de

    Lucinha Peixoto (Blog da CIT)

    ResponderExcluir
  3. Esse cara é um completo imbecil, passa a vida enchendo a cara de cachaça e criticando os outros, não esta sastifeito com nada é um revoltado toma vergonha na cara e muda de planeta.

    ResponderExcluir
  4. E o Altamir ficará todo encabulado
    pois não estará do lado
    pra além da cerveja
    tomar uma das que areja
    as ideias de um pertubado.

    ResponderExcluir
  5. NOTARAM!!!

    MAIS UMA VEZ., ELE MUDOU DE NOME!!! AGORA, CHAMA-SE ROBERTO!!! TÁ COM VERGONHA QUE O POVO SAIBA QUE ELE É O CABRA SAFADO DO JORNALISTAZINHO almy alves.........ç

    ResponderExcluir
  6. ADELMO!!! ADELMO!!!

    EU NÃO LHE DIGO NADA!!!

    EU SOU LHE DIGO, ÊPA!!!

    ResponderExcluir