SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

segunda-feira, 26 de julho de 2010

A DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

O Brasil tem o terceiro pior índice de desigualdade no mundo e, apesar do aumento dos gastos sociais nos últimos dez anos, apresenta uma baixa mobilidade social e educacional entre gerações. Os dados estão no primeiro relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) sobre América Latina e Caribe.

Segundo o estudo, a região é a mais desigual do mundo. “A desigualdade de rendimentos, educação, saúde e outros indicadores persiste de uma geração à outra, e se apresenta num contexto de baixa mobilidade socioeconômica”, diz o estudo do órgão da ONU, concluído neste mês.

Entre os 15 países com maior diferença de renda entre ricos e pobres, dez estão na América Latina e Caribe. Na região, o Brasil empata com Equador e só perde para Bolívia e Haiti em relação à pior distribuição de renda. (Publicado no Blog Inclui PE com citação do site http://www.hojeemdia.com.br/).

PAÍS RICO?

Embora o Brasil ostente os dados vergonhosos acima, na questão de distribuição de renda e desigualdade social, oferece à sua população serviços com preços de País muito rico. Vamos a um exemplo: Nos Estados Unidos, nação em que o poder aquisitivo é muito maior, o cidadão paga 60 dólares por mês pela internet de boa qualidade, telefone fixo e TV por assinatura. Os três por pouco mais de 100 reais. Entre nós, todo mundo sabe: A televisão fechada é coisa de rico, acessível a menos de 2% dos moradores; o acesso à internet, com serviço de má qualidade, custa na média 60 reais, em qualquer cidadezinha da redondeza e as contas da OI - o usuário está cansado de ser extorquido - são um verdadeiro escândalo. Não quero ir para os EUA, quero que o Brasil se torne um País mais justo.

FUTEBOL E EDUCAÇÃO

“No futebol, o Brasil ficou entre os oito melhores do mundo e todos estão tristes. Na educação é o 85º e ninguém reclama”, frase do senador Cristovam Buarque (PDT).

Um comentário:

  1. Rosana Martins - Gus18 de agosto de 2010 08:20

    Infelisnmente a culpa de tudo isso ainda é do eleitor. A grande oportunidade de virar esse jogo seria analisar bem os candidatos e votar com consciência e objetivo Político e não por politicagem ou troca de favores pessoais. Enquanto os políticos que não são aptos de ocupar um cargo para ao menos minimizar essa situação são eleitos, vai ser dessa forma ou pior. Pois num pais em que a politicagem vigora, fica impossível reverter essa situação, sabendo-se que número de pessoas que têm consciência política e sabe votar é minimo. Os políticos sabem muito bem explorar a miserabilidade e a ingenuidade da grande maioria (que são os pobres e os desavergonhados que vendem seus votos às custas de pequenos favores pessoasis)e o resto que se dane. Isso é lamentável!

    ResponderExcluir