SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

domingo, 31 de janeiro de 2010

ASSALTO LEGALIZADO


Tenho uma amiga que tem um único filho, na faixa de 11 anos, estudante do Colégio XV de Novembro. Vai cursar a 5ª série e a lista de material escolar, praticamente solicitando apenas livros, ficou acima dos R$ 900. Outra mãe garanhuense, com dois filhos na 3ª e 4ª séries, gastou somando tudo a quantia de R$ 1.500,00. Os livros pesaram mais. Alguns deles saíram por R$ 80 a unidade. Isso é o que podemos chamar de "assalto legalizado", pois nunca um livreto desses para a meninada, de Geografia, História, Português e Matemática poderia ter um valor tão alto. Ora, o livro no país já é caro mesmo, mas você compra um bom romance ou uma obra de não ficção de qualquer editora brasileira por R$20, R$ 30, R$ 40 ou R$ 60 (estes últimos normalmente são obras densas, que chegam a 600 páginas). Então o preço do livro didático é ditado mesmo pelo desejo de lucro exacerbado e está na cara que os editores se aproveitam porque "é uma vez só por ano" e os pais não podem deixar de comprar.
O Izaías Régis apresentou na Assembleia Legislativa um projeto tentando frear um pouco a indústria do material escolar. Mas é preciso mais. No Congresso Nacional, devia haver uma pressão dos parlamentares para que o Governo Federal fiscalizasse os preços desses livros didáticos. Pelo que se vê eles vendem do preço que querem e esfolam a classe média todo início de ano. Muitas vezes com a cumplicidade dos colégios particulares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário