sexta-feira, 27 de novembro de 2009

UM BLOG SEM INTERNET

Amigos blogueiros e caros leitores deste espaço, peço licença a vocês para fazar uma revelação. Quando retornei do Recife, no final de 2006, depois do doloroso processo porque passei, eu quase fui ao fundo do poço. Psicologicamente, financeiramente, fisicamente, em todos os sentidos eu estava arrasado. Sempre vivi modestamente, numa casa da Cohab em Garanhuns, mas nunca tive vergonha disso porque o pouco que tenho foi fruto de trabalho honesto e isso para mim é o mais importante. A volta à vida, no entanto, não foi fácil. Tinha a Sky há quase 10 anos, com todo sacrifício e tive de abrir mão desse "luxo". Perdi o telefone convencional, o acesso à internet e o carro que era semi-novo hoje está pedindo outro no lugar, só que não tive ainda condições de fazer a troca. Teve final de semana, no início de 2007, que temi não poder trazer a feira pra casa e preocupado com a mulher e as crianças quase entrei no desespero. Lutei como um leão para me reerguer e tenho conseguido algumas conquistas. Fui o marqueteiro da campanha de Dudu, modéstia parte fiz um Guia Eleitoral de rádio porreta, junto com o Marcos Cardoso, e hoje participo do governo dele. Uma pessoa séria, totalmente diferente de alguns políticos pilantras que existem por aí.

Como perdi cerca de 80% da voz, saí do rádio, onde atuei por quase 10 anos. Fiquei só com o Sete Colinas. Recentemente, mesmo sem internet, criei um blog por insistência do meu irmão mais novo e uma sugestão do Dr. Alcindo Menezes. Durante três meses essas notas foram postadas na casa do meu filho, nas lan houses, na rádio Sete Colinas, no local do trabalho, quando tinha um espaço qualquer, no estúdio de Carlinhos e Marcos, em diversos lugares. Até no fórum de uma cidade da região, um dia fiz uma notinha. Foi assim que o blog sobreviveu os três primeiros meses.

Atualmente estou com internet em casa novamente, patrocinada pela grande amiga, irmã, conterrânea e comadre Maria Almeida. Ela teve um gesto de irmã para comigo. Existem pessoas que gostam de mim, sabem das minhas dificuldades e dão uma força. Esses são filhos e filhas de Deus e sou muito grato a eles e elas.

Minha vida, portanto, principalmente depois do drama de 2006, tem sido de superação. Até a fé eu tenho procurado alimentar mais e mais, de modo a continuar obtendo pequenas vitórias, permanecer ativo e ganhar o suficiente para manter os que dependem de mim. Sou grato a todos aqueles que têm me apoiado nos momentos difíceis, caso de Maria Almeida, Dr. Alcindo, Dra. Ielma, Josemir Albuquerque, Ivo Amaral, mamãe, meu irmão Júnior, Dudu e Celina, Josevalda, o prefeito Luiz Carlos, o secretário Carlos Eugênio, Rodolfo, Ivo Paulino, Pereira Filho e outras pessoas que é difícil lembrar todas assim de momento. Acho que estou vivo devido a três fatores: a fé de muitas pessoas que pediram por mim, muitas motivadas pelo Aluízio Alves; ao meu irmão Eduardo que teve o dinheiro suficiente para pagar a cirurgia tão cara e ao competente médico que me operou, Dr. Alex Caetano.

Espero, com a ajuda de Deus, com o meu trabalho, as minhas ideias, conseguir trocar de carro para sair por aí com um pouco mais de segurança. Arraes ,citando Drummond ,disse duas vezes quando foi empossado: "Só tenho duas mãos e o sentimento do mundo". Eu tenho duas mãos, pernas para caminhar, um coração capaz de amar e a cabeça no lugar, fervilhando de ideias. E tenho a mulher, os filhos, minha mãe, meus irmãos e alguns amigos muito valiosos. Quem tem tudo isso não há de se lamentar. Já tenho muito. Um abraço amigo a todos que tiveram a paciência de ler esse texto até o final e perdoem por esse toque pessoal.

2 comentários:

  1. Roberto, você é um homem feliz pela sua generosidade, desapego às coisas materiais e pela valorização que tem dos amigos e da família. Sua cultura e sua crença em Deus o faz especial, e isto por si só já é a maior riqueza. Acredito que seja essa a missão de todos aqui na Terra!

    ResponderExcluir
  2. Olá Roberto
    Olha eu de novo.
    Fiquei feliz ao ler este post. Vi que este post já não tem o mesmo tom do anterior que comentei. Graças a Deus.
    Quanto ao "toque pessoal", posso dizer que os blogs fazem tanto sucesso por isso mesmo, porque tendem a mostrar o blogueiro como gente, no mais amplo sentido e não apenas como profissional.
    Beijos
    Patty Martins

    http://aquinacozinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir