Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

CONVERSA BEM JOVIAL ENTRE DOIS VELHOS

O cantor e compositor Roberto Carlos nunca foi bom de entrevista. Normalmente é tímido, meio enrolado e costuma gaguejar nas respostas.

No programa do Jô, contudo, na última sexta-feira, o artista estava inteiramente à vontade. O apresentador conduziu a entrevista como um bate papo entre dois velhos amigos e o resultado foi excelente.

Roberto revelou que após mais de 10 anos sem lançar um disco ou DVD de músicas inéditas está preparando um álbum com canções novas para breve. 

Infelizmente, Jô Soares não aprofundou o assunto.

Jô Soares se revelou um admirador de RC e confessou ser um apaixonado por duas músicas da dupla Roberto e Erasmo: “As Curvas da Estrada de Santos”, uma das mais conhecidas, e “Por Amor”, uma balada romântica dos primeiros anos da década de 70.

Quando o “Gordo” pediu a Roberto para cantar “Por Amor”, o Rei reagiu de maneira surpreendente: “Ô Jô, essa música é tristíssima! E revelou que ao interpretar a canção chora logo aos primeiros versos. (“Eu ouvi, dizer que você falou, que está pensando em voltar pra mim...”)

Para o apresentador da TV Globo, Roberto Carlos é “um patrimônio do país” e quis saber quantas músicas o artista já compôs. Ele respondeu que não sabia.

O jornalista e historiador Paulo César Araújo, na biografia proibida de RC, revelou que a dupla Roberto e Erasmo compôs mais de 600 canções, entre elas Detalhes, Cavalgada, A Distância, A Cigana, O Portão, Alô, Cama e Mesa, Amada Amante, Fera Ferida,  Emoções, As Baleias, Jesus Cristo,  O Progresso.

Nos últimos dois CDs de Roberto com músicas inéditas, lançados após a morte de Maria Rita, no final dos anos 90 e início da década seguinte, as músicas foram compostas somente pelo compositor e cantor de Cachoeiro de Itapemirim.

É como se ele quisesse exprimir sem ninguém por perto a dor pela perda da esposa, por quem era verdadeiramente apaixonado.

Na entrevista do Jô teve perguntas "bobas", só para descontrair ainda mais. O apresentador perguntou por exemplo se Roberto sabia fazer alguma coisa na cozinha.

Primeiro ele respondeu que não sabia fazer nada e depois emendou que sabe preparar um bom sanduíche tipo americano.

Logo depois os dois revelaram que são fãs de sanduíches e que passam um dia todo se alimentando só com este tipo de comida.

Roberto, então, voltou a surpreender: disse que gosta muito de pizza, já comeu desta massa nos mais diversos lugares do mundo – inclusive na Itália – mas que a melhor do mundo é feita em São Paulo.

“Os italianos inventaram a pizza, mas ninguém prepara essa massa como os brasileiros”, completou RC. 

Ele garantiu que não gosta de comida sofisticada e disse que um dos seus pratos prediletos é feijão com arroz e ovo. Isso mesmo. Iguarias que qualquer um pode comer.

Jô exibiu alguns trechos do Especial da Globo, que será exibido no dia 23. Pelo que está sendo anunciado será menos repetitivo do que o de anos anteriores. 

Um grande momento está reservado para a apresentação de Roberto Carlos, Caetano Veloso e Gilberto Gil, cantando juntos uma linda canção.

Durante quase uma hora Jô entrevistou o cantor mais bem sucedido da música popular brasileira, com 57 anos de profissão (sem contar que começou a cantar com 9 anos,  na rádio de sua cidade natal, Cachoeiro de Itapemirim), mais de 120 milhões de discos vendidos e fama internacional.

Uma revelação que não foi feita no Programa do Jô, mas está no site oficial do artista: Roberto Carlos gravou um dueto com a cantora Jennifer Lopez e a música será incluída no próximo álbum da artista, a ser lançado no próximo mês de janeiro.

A entrevista na Globo foi interrompida algumas vezes para que Roberto cantasse algumas canções, como “Proposta” e “Canzone Per Te”, com a qual o brasileiro ganhou em 1968 o então prestigiado Festival de San Remo, na Itália.

No final, quando Roberto Carlos interpretou a música “Amigo”, dedicando os versos feitos originalmente para Erasmo Carlos ao Gordo, os dois terminaram chorando abraçados.

Jô estava muito emocionado e chorou muito, descontroladamente.

Por que os dois tiveram o acesso de choro?

Imagino que não foi somente pela canção. Os dois estão velhos, se conhecem desde o início da carreira. Na cabeça e no coração de cada um, naquele momento, se passou muita coisa.

Vieram lembranças, devem ter imaginado que não têm mais tanto tempo pela frente, que tudo está em processo de transformação, o programa do Jô está para sair do ar, muitos amigos deles já não estão mais entre nós...

Os dois estavam joviais, fizeram da entrevista uma agradável conversa, passando a impressão que estavam conversando na nossa sala.

Mas o tempo é implacável e a medida que os anos passam ficamos mais emotivos.

“Eu sou muito chorão”, confessou Roberto. “Eu também”, disse Jô.

O cantor completa 76 anos daqui a quatro meses. O apresentador em janeiro próximo chegará aos 79 anos.

São dois patrimônios da cultura brasileira. Ambos têm defeitos, manias, extravagâncias, com a fama e a riqueza inevitavelmente se distanciaram da realidade dos que lutam a cada dia para botar o pão na mesa.

Mas os dois têm muita sensibilidade, talento e fizeram muito pelo Brasil através da música (no caso de Roberto), do jornalismo, da literatura e do humor (Jô Soares).

Alguém pode não ter gostado e criticar o título. Mas a verdade é que os dois estão velhos mesmo. Mas pela conversa gostosa, jovial, só na idade.

A última entrevista de Roberto Carlos no Programa do Jô se constituiu num dos grandes momentos da TV aberta no Brasil. O choro foi o de menos.

2 comentários:

  1. Dois mamões de tetas do Governo! A única coisa que fazem é babar ovo do poder vigente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse cara é maluco,ou mal informado ao dizer isso,Roberto Carlos tem uma vida voltada a música e é com essa música que ele sobrevive e alegra todos nós que somos seus fãs e o jô todos sabem o que ele ja foi e é,portanto nao fale aquilo que nao convém..

      Excluir