Natal de Garanhuns

Natal de Garanhuns
A Magia do Natal

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

CANHOTINHO CIDADE DE MUITAS TRADIÇÕES

Município de muita tradição, cidade antiga, berço de políticos influentes na vida de Pernambuco, como Eraldo Gueiros Leite (que dá nome ao fórum de Garanhuns), que foi governador, Carlos Porto, deputado estadual e hoje no Tribunal de Contas do Estado e José Amorim, que foi prefeito e deputado estadual.
A tradicional família Porto hoje tem como representante do município na Assembleia Legislativa o deputado Álvaro Porto, um dos mais atuantes do Estado.
Canhotinho foi elevada à condição de cidade desde 1903 e teve Lajedo, hoje com uma população maior, como distrito até 1949.
No livro “Pernambucânia”, o jornalista Homero Fonseca nos traz as seguintes informações sobre Canhotinho:
O historiador José Costa Porto, em obra sobre o município, revela ter sido retardado o povoamento da região, atribuindo o fato aos distúrbios causados pelos combates à República de Palmares, no século XVII.
Segundo seu relato, embora o Sr. Antônio Vieira de Melo, herdeiro de sesmaria herdada ao seu pai, tenha procurado explorá-la desde 1690, somente em 1812 colonos regulares ali se estabeleceram. Entre eles o fazendeiro José das Neves Camelo que, em fins do século XVIII, ergueu uma capela a São Sebastião.
Em 1850 começou a funcionar uma feira no vilarejo, cujo crescimento tomou impulso em 1885 com a passagem festiva da primeira composição no ramal da Estrada de Ferro do São Francisco.
Canhotinho foi elevada a cidade nos primeiros anos do século passado, emancipando-se de São Bento do Una.
Diz a tradição que o nome da cidade deriva da existência de dois irmãos, conhecidos por Canhoto e Canhotinho – e que seriam o pioneiro José Neves e seu irmão João das Neves Camelo.
Costa Porto, entretanto, observa que, muito antes da chegada deles (1812) já havia referência documental ao Rio Canhoto, datada de 1791. Vem daí, pois, a primeira denominação – Povoação da Volta (do rio) – seguida por Volta do Canhoto e, a partir de fins do século XIX, Canhotinho.
O gentílico dos naturais da cidade é canhotinhense. A área do município é de 432 km2 e a população pelo censo de 2010 era de 24.536, com 14.121 pessoas residindo na zona urbana e 10.415 na zona rural. A estimativa do IBGE para 2016 fica em torno de 24 e 800 habitantes.
Esta semana o blog publicou uma reportagem, de autoria de Júnior Almeida, revelando que mora em Canhotinho um senhor de 90 anos de idade, José David da Silva, que mantém na cidade, por conta própria, uma galeria de artes que é um verdadeiro museu, com informações importantes sobre o município. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário