Garanhuns

Garanhuns
Fique em dia com Garanhuns

GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
Presença do Governo no Agreste Meridional

sábado, 5 de novembro de 2016

OLIGARQUIAS E RETROCESSO SOCIAL


Por Michel Zaidan Filho*

Numa avaliação desapaixonada e já distante dos episódios eleitorais recentes, começa a parecer que o resultado mais importante das eleições municipais em Pernambuco foi o início da desagregação política do PSB.

A derrota do advogado e mecenas literário Antônio Acioly de Campos, o"Tonca", irmão do falecido governador, cunhado da ex-primeira dama do estado, filho da ministra Ana Arraes e  tio dos infantes  João Henrique e Maria Eduarda, à Prefeitura da cidade de Olinda para um obscuro professor olindense,  deu início a uma disputa pública pelo poder, que lavrava silenciosamente no chamado núcleo duro do poder estadual.  

Nunca será demais relembrar aqui a distinção feita em artigo pelo professor Francisco Weffort entre "oligarquia" e "Estado", no nosso caso,  oligarquia de uma única família: Campos infantes, hoje ameaçada por outra família e seus apaniguados, Andrade Lima.

Segundo Weffort, a oligarquia é uma mera expressão política de interesses particulares, cuja legitimidade se resume aos áulicos, parentes, contraparentes e aderentes de toda espécie. Ou seja, é uma forma de domínio político estreita ("oligo"), com uma base social restrita, que não incorpora ou reconhece as massas urbanas como parceiro privilegiado do   compromisso político em que se assenta o Estado. Já este último, não.

O Estado é sempre a expressão de interesses gerais da sociedade, por isso mesmo tem uma legitimidade ampliada e incorpora sim o apoio decidido das massas populares. Segundo essa análise, que se tem em Pernambuco não é nenhuma forma conhecida de   estado, mas uma oligarquia política, das mais estreitas e atrasadas que se possa imaginar.

Aliás, a presença indefectível, indispensável da ex-primeira dama e seus filhos em todos os atos oficiais de governo, seja da Prefeitura do Recife ou da administração estadual é o símbolo desse atraso. Quer dizer que ela é a fonte de legitimidade desse governo, participa dele e tem nele um grande quinhão ou cota-parte. Que, aliás, já começou a cobrar, com as pensões e os empregos dos dois filhos, sem concurso, sem exigência de habilidades ou qualificações profissionais para o exercício do cargo. E a fatura maior deverá ser apresentada por ocasião das eleições de 2018, quando - segundo as especulações que correm - pretende se candidatar ao mandato popular pela legenda do PSB.

A primeira   pessoa da família a romper com esse esquema oligárquico e familiar foi a vereadora Marília Arraes, ao ser preterida pelo tio na legenda do partido, hoje reeleita pelo Partido dos trabalhadores (PT).

Naquele então, a  vereadora denunciava publicamente o sistema de preferencias familiares que reinava  no interior da oligarquia. Com a morte do chefe, em desastre aéreo até bem pouco tempo não esclarecido (agora, a Justiça Trabalhista de São Paulo reconheceu a responsabilidade civil e criminal do PSB e dos sócios do ex-governador e os obrigou a pagar uma pesada indenização trabalhista à família de um dos pilotos vitimados pelo sinistro e uma pensão a cada um dos filhos, até  a idade de 72 anos).

Agora vem a denúncia de "Tonca", que foi prejudicado pelo partido, pelo governador e pela ex-cunhada. Ou seja, atribuiu as causas de seu malogro político na Marim dos Caetés a uma facção dentro do PSB local, que não queria a sua eleição no município vizinho. O que ele diz é verdade. O segundo neto de Miguel Arraes nunca foi o preferido na família. As atenções sempre se voltaram para o falecido. Não goza de muita estima entre os parentes.

Embora pouse de intelectual, é o intelectual-político provinciano, municipal, o mecenas que promove os convescotes de sua própria consagração literária, agora com a finalidade revelada de ganhar as eleições. Sua candidatura nunca foi um consenso nem na família, nem no governo do Estado, nem no PSB. Além de ser uma aventura pessoal, rompeu a aliança com um partido que se assina de "comunista" lá em Olinda. Ou seja, além de ser uma candidatura de risco, pôs em questão uma aliança fisiológica com os comunistas de João Amazonas, defensores do "impeachment" da Presidente Dilma e propagandista desse gerente do PSB, aqui do Recife. Em suma, era uma candidatura que tinha tudo para dá errado. E deu.

Agora, vem o intelectual-político de Casa Forte acusar a ex-cunhada, sua família, o PSB e o governador do PSB de que tramaram contra a sua candidatura o tempo todo. Será que o atilado mecenas e intelectual nunca desconfiou dos métodos "estreitos" de como opera uma oligarquia familiar, como essa que nos infelicita?  

Toda oligarquia tem o seu regime de preferenciais, não há isonomia  política ou social  dentro dela. Sempre têm os mais-iguais, os mais merecedores, os mais capazes ou meritórios. E aí, quem seriam os parentes mais merecedores das prebendas, cargos, mandatos etc.?  

A família do falecido (nem Arraes, nem Aciolly Campos), mas a família da ex-primeira (e sempre presente) primeira dama: a família Andrade Lima. Ela e seus filhos.

Será que ele duvida que se está tentando construir uma nova narrativa mítica do jovem, que desde cedo, foi vocacionado para o cargos públicos, pela influência do grupo familiar, do avô, do pai, da prima (menos do tio).?  
Pela idade e a esperteza "Tonca" não deveria se iludir com a sua própria notabilidade literária ou política, conferida pelo sobrenome familiar. De nada lhe valeu a estratégia de ter redigido a carta que designou Marina Silva a candidata do PSB, nas últimas eleições. Quis dar uma de sabido, tomando a iniciativa e aparecendo em cena. Mas subestimou as características do mando oligárquico. Com a morte do   chefe, é a família do chefe que tem a prioridade. Ele não é mais da família. É de outra família. A família do escritor Maximiliano Campos, que nunca foi político e sim literato.

Torço muito, como cidadão republicano e pernambucano, que todas as denúncias apresentadas pelo segundo neto de Arraes sejam devidamente apuradas e que as responsabilidades civis e penais sejam atribuídas aos culpados. Elas são muito graves e envolvem um secretário de governo e o próprio governo, no que ele chama de atividades de espionagem e monitoramento de sua candidatura.


Não é a primeira vez. Isso já aconteceu em eleições anteriores e em governos anteriores aqui em Pernambuco. Mas, para que não se fique com a impressão de uma capitania hereditária, que passa de família a família, é muito importante que tudo isso seja passado a limpo, convincentemente esclarecido. Afinal, a Justiça serve para isso.

*O garanhuense Michel Zaidan Filho é Cientista Político e Professor na Universidade Federal de Pernambuco.

16 comentários:

  1. Se é para o poder passar de pai pra filho eu prefiro o retorno da monarquia e devolução do poder para a família Orleans e Bragança! Ao menos é uma família digna e não um antro de oportunistas de carteirinha como esses Campos aí.

    O maior exemplo é esse moleque João Campos, o cara nascido em berço de ouro, se formando em Engenharia Civil. O conselho que eu daria era: - Abre uma empresa filho da puta vai fazer teu nome próprio, tenha vergonha na cara, tenha brio. Mas não, aceita essa merda de cargo no governo e vai ser o eterno Filhinho de Eduardo Campos.

    Um moleque trouxa desses não merece nem um estágio nas Casas Bahia, quanto mais ser um político de verdade.

    E ainda tem os afanadores de testículos por aí que acham lindo uma CAGADA dessas, o idiota ser convencido a entrar na política em uma medida claramente desesperada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por tudo o que DR. EDUARDO CAMPOS fez por Pernambuco, jamais os seus filhos e a viúva Renato Campos deveriam ser tratados com desdém.

      0 ex-governador trouxe para minha cidade o Samu,uma Prefeitura que há 50 anos não tínhamos,uma academia das cidades,uma terra planagem de Lagoa do Ouro a Correntes que fazia 42 anos ,fez 2 operações tapa buraco,foi quem melhor pagou a todos os servidores públicos,teve a coragem de iniciar a Adutora do Agreste e espalhou milhares e obras nos 184 municipios de Pernambuco.

      Excluir
    2. Prof. Zeca, que vergonha sua justificativa. Se fosse reprovável pela bajulice, já o era pela origem: os benefícios citados são de origem PTista.
      Lastimável, Mestre.

      Excluir
    3. Não tenho o mínimo respeito por essa gente oportunista, são uma família de mediocres que se não fosse a teta do governo provavelmente morreriam de fome!

      Excluir
    4. PT e PSB foram amigos de 2002 a 2013.Faltando apenas um ano foi que houve a separação de fato,a qual,contribuiu para o distanciamento.Houve sim erros do PT em Pernambuco e houve erro do PSB do ex-governador Eduardo Campos.

      Eu nunca usei esse meio de comunicação para atingir a bibliografia dos ex-presidentes e ex-governadores mesmo discordando de suas posições tomadas.

      Discordei frontalmente da decisão que os deputados do PSB tomaram contra a Dilma e contra a decisão tomada por Fernando Bezerra Coelho quando ele foi Ministro da Integração Nacional e que conduziu com rara habilidade a Transposição do Rio São Francisco,uma obra que marcará para sempre a administração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

      Nenhum governador pode realizar tantas obras em seus Estados se não tivesse recebido apoio do Presidente da República.O Lula fez enquanto que FHC tendo um Vice-presidente de Pernambuco não teve a coragem de trazer a Transposição do Rio São Francisco e a Refinaria de Petróleo Abreu e Lima.

      Outro erro capital do PT e PSB foi não terem medido a traição do PMDB e ter feito EDUARDO CAMPOS vice Presidente do Brasil.

      Excluir
    5. Kkkkkkkk estava lendo a resposta do nobre colega professor e acreditando que ele estava falando de Luiz Inácio Lula da Silva. Quando percebi que não,uma coisa me veio a cabeça,o nobre coelega não é funcionário público do estafo de Pernambuco, pois todos os funcionários falam o contrário do defunto, exceto os de altos cargos e salários.

      Excluir
    6. Ele fez tanto que deixou um rombo para o Povo, como sempre, pagar.

      Excluir
    7. Eu não sou PT. Mas, depois de Frei Caneca, Matias de Albuquerque e outros. O Grande Heói de Pernambuco foi Lula que fez o que fez por todo esse Estado para no fim cuspirem no nome dele ao trair a Presidenta Dilma.

      Excluir
    8. ETIENE FRANÇA.

      Quando um servidor público passa pelas mãos de vários governos tem sim condições e competência de falar da máquina pública e seu funcionamento.

      Eu conheci as administrações de Roberto Magalhães,Miguel Arraes,Joaquim Francisco e Jarbas Vasconcelos por 8 anos e de Eduardo Campos por 8 anos.

      A máquina pública sempre foi emperrada, deficiente, inoperante e muitos servidores em sua maioria não tem consideração a ninguém.Eu trabalhei e vi de perto o atraso.Existiam apenas 3 computadores e a maioria dos servidores não poderiam pegar no computador e muito menos ler alguma notícia na internet.Tudo era proibido.Nem nas horas de folga.Colegas diziam não pode e nem pode gastar tinta e papel.Que atraso.

      Um certo dia o meu chefe mandou eu digitar os memorandos e os projetos no computador de um Agrônomo da Adagro porque o que eu usava estava com vírus.

      Quando o Agrônomo chegou eu estava na sala dele usando o computador. Ele se dirigiu a mim e disse assim:" quem foi quem mandou você usar o meu computador? Eu fiquei calado.Em seguida ele me disse ,levante-se .Eu permaneci sentado.Foi a cozinha e ao retornar repetiu a dizer ,levante-se daí.Foi quando o chefe chegou por trás dele e disse assim: " quem mandou ele digitar os memorandos e os projetos fui eu.Você não tem nada aqui ,tudo é do Estado.Você não sabe que eu tenho poder de mandar você trabalhar em Recife? E naquele momento eu fiquei de peito lavado!

      Hoje na Repartição existem mais de 8 computadores e todos terminaram aprendendo computação.Que coisa linda!Tudo isto aconteceu nos anos de 2007 até hoje!

      Nos governos do ex-governador todos os servidores recebiam aumentos e os salários e 13% foram pagos religiosamente em dias.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Só achei engraçado:"afinal a justiça serve para isso". Será?

      Excluir
    2. É manda me processarem, vão ganhar muito dinheiro com isso! KKKKKKKKKKKKKKKK

      Terão de brigar com o Banco para tomarem meu carro Alienado e a vingança vai ficar por aí.


      Excluir
  3. João Campos em poucos meses recebeu a medalha de ouro do mérito da Polícia Civil, da Polícia Militar e do corpo de bombeiros, por relevantes serviços prestados à segurança pública, aí eu pergunto, que relevantes serviços prestou este rapaz? Vergonhoso para o governo, que usa as mais altas comendas das corporações para prestigiar a família Campos, e vergonhoso para ele, que com a pouca idade que tem bem poderia construir o próprio nome com TRABALHO, sem aceitar esses atalhos.

    ResponderExcluir
  4. Mais um prato cheio para o nucleo Guel Arraes e a Globo se inspirar e Faturar audiencia.Pobres de nós da capitania heŕeditária pernambucana do doce amargo..e agora Dudé...aguentar de quebra como resultados disse tudo GJULIO e dua trupe no poder municipal recifense...onde o povo se abestalhou e não ganha absolutamente nada...apenas umas obras pra enganar os best as.. .vai ver 2017 2018 2019 2020....

    ResponderExcluir
  5. O difunto fez todas as misérias e de quebra ainda nos deixou a herança maldita: paulo camara e g julio. Tadinho de nós

    ResponderExcluir
  6. Hoje é o sujo falando do mal lavado.Juntaram -se nestas eleições sem nenhum escrúpulo,PMDB,REDE,DEM,PSDB E PT para falar mau do PSB e PSD.Alguns diziam em praça pública o grupo de lá é do atraso e praticou tudo o que não presta.Por sua vez os adversários diziam quem não prestam são vocês.E o governador no meio deles todos e fumando o cachimbo da paz e do amor!

    ResponderExcluir