Garanhuns

Garanhuns
Fique em dia com Garanhuns

GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
Presença do Governo no Agreste Meridional

domingo, 12 de junho de 2016

OPOSIÇÃO QUESTIONA NOVOS GASTOS COM ARENA

O Governo do Estado anunciou, na última sexta-feira (10), o início de sua gestão na Arena Pernambuco. Fala de um custo mensal de R$ 1 milhão em manutenção, além de um montante de R$ 246,8 milhões que será pago à Odebrecht. Não faz referência, no entanto, aos cerca de R$ 540 milhões já pagos pelo Estado, que somados ao que será desembolsado a partir de agora eleva a conta com a Arena para quase R$ 790 milhões, de uma obra que teria custado, segundo o próprio Governo, R$ 479 milhões.
Não fala também que a rescisão, apresentada como consensual, não encerrou a possibilidade de disputa jurídica, uma vez que a própria Odebrecht afirmou que ainda há questões pendentes, já levadas à Justiça, como os R$ 264 milhões cobrados pela construtora como adicional por ter implantado o terceiro turno na obra, para que ficasse pronta a tempo da Copa das Confederações, a pedido do Governo do Estado.

O Governo de Pernambuco promete ainda lançar um edital de licitação para a operação do estádio em 60 dias, mas não explica como espera atrair empresas para um empreendimento que está sob investigação da Policia Federal e nem porque a parceria com a Anschutz Entertainment Group (AEG), que administra mais de 100 arenas no mundo, não conseguiu ter sucesso em Pernambuco.
A rescisão do contrato, infelizmente, não encerra o imbróglio que se tornou a Arena Pernambuco. Há ainda muitas dúvidas a serem respondidas pelo Governo do Estado, como, por exemplo, os motivos que levaram o atual prefeito do Recife, Geraldo Júlio, na época presidente do Comitê Gestor das PPPs, a aprovar, junto com o colegiado, o empreendimento e lançar a licitação de uma parceria financeiramente desequilibrada e que tantos prejuízos trouxe e ainda poderá trazer aos cofres pernambucanos.

A Bancada de Oposição convidará o procurador-geral do Estado, André Caúla, e o secretário Felipe Carreras, que ficará responsável pela gestão do equipamento, para prestarem esclarecimentos sobre como vai se dar a operação da Arena.

1.    Qual a nova modelagem jurídica do empreendimento?
2.    Qual a fonte de financiamento para pagar os R$ 246,8 milhões devidos à Odebrecht?
3.    Quem assumirá os empréstimos obtidos pelo empreendimento junto ao Banco do Nordeste e BNDES para construção da Arena?
4.    Qual a visão do Governo do Estado sobre os R$ 264 milhões cobrados pela Odebrecht a título de aceleração da obra?
5.    Que grupo internacional ou nacional vai se dispor a assumir um empreendimento que está sob investigação?

Esses são apenas alguns questionamentos, entre outros, que ainda precisam ser respondidos pelo Governo do Estado em Audiência Pública a ser realizada.


Silvio Costa Filho
Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário