SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

domingo, 20 de março de 2011

O PROJETO DE MARIA BETÂNIA

Um leitor questiona porque o blog não abordou ainda a polêmica em torno da cantora Maria Betânia, assunto que estaria dentro do perfil de temas aqui discutidos. Ele tem razão e gosto muito de ser pautado pelo internauta quando este vem coberto de razão. Tomei conhecimento desse fato através do Blog Capoeiras, de Raimundo Lourenço, um dos primeiros a encarar a questão. Fiz até um comentário reivindicando também para nós, pobres blogueiros de Garanhuns e do Agreste uma verbazinha polpuda como a da cantora. Depois li várias outras matérias envolvendo a cantora baiana e uma nota do Ministério da Cultura esclarecendo o assunto. A partir disso tudo formei a seguinte opinião: O Governo não está dando mais de um milhão de reais para Betânia fazer um blog de divulgação de poesia. Apenas foi aprovado um projeto, de acordo com a Lei de Incentivo à Cultura, liberando a artista ou pessoas autorizadas por ela a captar recursos junto a iniciativa privada para financiar o projeto na internet. Roberto Almeida, Wagner Marques, Ronaldo César, Dedé Seixas, Rafael Brasil,  qualquer um de nós pode fazer um projeto semelhante e tem chance de no Ministério conseguir alguma verba. Acontece que nenhum dos citados tem o prestígio de Maria Betânia. Mesmo que aprovada uma proposta nossa, com um valor alto, como chegaríamos aos grandes empresários para pegar a grana, se comparados com a irmã de Caetano somos meros desconhecidos? A própria cantora, acredito, vai ter dificuldades. E sair por aí de pires na mão é humilhante para qualquer um, mesmo quando se trata de pegar muito dinheiro. Só que para chegar a mais de um milhão terão de ralar bastante, batendo em diferentes portas. É possível até que ela não consiga levantar o dinheiro todo e canse antes do tempo, desistindo da empreitada, principalmente porque sendo uma artista bem sucedida, a essa altura da vida ela não deve estar disposta a ver seu nome denegrido dessa forma por setores da imprensa apressados ou maldosos. Com um milhão minha vida (acho que a de Ronaldo e os outros companheiros daqui também) estaria resolvida. Betânia deve ter um patrimônio superior a esse. E se não tiver em moeda tem como artista porque é uma das cantoras mais completas do mundo, com uma voz e um repertório que devem ser motivo de orgulho no Brasil. Enfim, a coisa não é como se divulgou no começo - apressadamente ou com claras intenções de criar um fato nebuloso envolvendo a baiana e o governo. É muito dinheiro e espanta os lisos de Norte a Sul. Tudo porém, não passa por enquanto de um projeto, feito e aprovado dentro da Lei, e que pode dar em nada, ou porque não se conseguirá captar o dinheiro ou porque Maria Betânia, que sempre se mostrou digna e coerente em sua carreira, desistirá de divulgar poesia à custa de recursos que podem amanhã servir a fins mais nobres, como alimentar mensalões em qualquer lugar do Brasil ou financiar campanhas de corruptos, por exemplo.

10 comentários:

  1. Esse blogueiro.......... Esse jornalista......
    Queres tapar o só com a peneira dizes logo, mas não vem aqui puxar o saco da Dilma nem da irmã do Chico, ora! ora!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Amigo Roberto Almeida,
    Perfeita a sua interpretação desse fato.

    ResponderExcluir
  3. Li duas vezes o texto do Roberto Almeida. E eu escrevi um pouco sobre esta dinheirama dedicada à poesia lá no Blog da CIT (ver no link do meu nome). Sinceramente, ou minha capacidade de entendimento é muito curta ou o Roberto não diz muita coisa em seu texto. Ou seja ele nem é contra nem a favor ou muito menos pelo contrário. Apenas sofre porque pensa não poder coletar tanto dinheiro junto às empresas. E pelo que sei, pela dignidade da Bethania (como cantora, pois particularmente nem sei nem quero saber) ela já desistiu. Por que? Talvez por ter sido descoberto que receber quase R$ 3500,00 para recitar um poesia seja demais, até para este poço de dignidade. O problema são as leis mal feitas e mal usadas pelo estado interventor e “sem noção”.
    Dou o maior ponto ao Ricardo Noblat, com sua séria Recite um Poesia por um menor valor, e que já tem mais de 10 apresentações. Estou propondo aqui no Blog da CIT uma coisa igual ou parecida. Uma dedicação maior à poesia como já acontece com A Gazeta Digital. Daquelas que a Lucinha Publicou recentemente, não valem, por falta de qualidade (perdão amiga), mas o do Miguezim da Princesa vale a pena.
    Mas, o caso da Bethania é apenas a ponta do iceberg. Se for mexer neste vespeiro, vai se entender o discurso do Chico Buarque e a nomeação de sua irmã para o ministério, em pagamento, pelo seu amor à cultura.

    Zezinho de Caetés (Blog da CIT)

    ResponderExcluir
  4. È uma questão complicada e tudo indica que está havendo exploração e má fé usando o nome de Betânia. Ivete Sangalo, Zeca Baleiro, Cleo Pires e outros artistas estão fazendo um comercial de cerveja e recebendo um cachê milionário. Ninguém fala nada. Agora só com a possibilidade da baiana embolsar R$ 600 mil (esta é a parte dela) a partir de recursos das empresas (não é do governo) fazem esse barulho todo. As viúvas e órfãos de José Serra estão politizando a questão e querendo talvez acabar com a Lei de Incentivo à Cultura.

    ResponderExcluir
  5. Não entendi o comentário da leitora Telma. Primeiro: o fato de cantores fazerem propagandas de cerveja nada tem a ver com receber dinheiro de dedução fiscal. Quem lhes paga são as empresas. Como se pode confundir cachê com dedução fiscal? Agora quando uma empresa patrocina algo segundo a Lei Rouanet, ela deixa de pagar aquilo em imposto de renda por exemplo. Em outras palavras, deixa de ir para os cofres públicos para entrar nas contas de alguém. É sim, dinheiro público. Simples assim.

    ResponderExcluir
  6. A Dona Telma parece está confundindo mais uma vez renúncia fiscal com dinheiro privado. Se a fábrica de cerveja pagasse a Bethania R$ 600,00 ou um “milho grande”, eu nem teria escrito nada sobre o assunto, e ninguém que enxerga um palmo a frente do nariz iria criticar Zeca Baleiro ou Cléo Pires por isso. Dona Telma, o dinheiro do projeto vem de renúncia fiscal. O que a empresa coloca aos pezinhos pequenos da cantora bahiana, pode até ser da mesma cerveja, mas a alternativa seria entrar no Tesouro, onde haveria para ele outras alternativas. Como dinheiro público que é. Lendo comentários seus anteriores, sobre a queixa de Lucinha dos gastos do prefeito ou do estado para o dia de São José, a senhora comete o mesmo erro: confunde recursos públicos com recursos privados.
    Da forma como esta lei está formulada, faz com que se privatize recursos públicos sem uma escolha de prioridades, a não ser aquela de que os seus beneficiários sejam amigos das autoridades de plantão.
    O Roberto Almeida, mesmo não dando ênfase ao fato, escreve sobre a quase impossibilidade dele obter recursos a partir desta lei. Sabe por que, Dona Telma? Porque, antes de ir às empresas o projeto tem que ser aprovado, e aí é onde mora a tramóia. Além da dificuldade de captação ainda esbarramos na pouca influência que temos junto às empresas.
    Eu não conheço a Dona Telma pessoalmente, mas penso que ela, pela sua acuidade política, recitaria uma poesia tão bem quanto a Bethania. Eu proponho apresentarmos um projeto de leitura de Literatura de Cordel, tendo como primeiro folheto “A Chegada de Lampião no Inferno (Junto com a Lei da Cultura)”. Quem sabe lá conseguiremos R$ 1 milhão!?

    Zezinho de Caetés (Blog da CIT)

    ResponderExcluir
  7. Dá para perceber que a grita contra Maria Betânia parte dos mesmos defensores da candidatura de José Serra. Querem transformar um traque numa bomba atômica só para atingir a Dilma. Por que não se preocupam com as revelações de Arruda sobre o esquema dele com o pessoal do DEM e PSDB, do qual saiu dinheiro até para a campanha de Marco Zero Maciel?

    EDUARDO, HELIÓPOLIS

    ResponderExcluir
  8. 18/03/2011 às 6:33
    Maria Bethania já foi estatizada, e a gente nem sabia!

    Trecho de reportagem na Folha de hoje. Comento:
    “Incluindo o blog, o ministério já autorizou [Maria] Bethânia a captar R$ 10,5 milhões para seis projetos culturais desde 2006. Por problemas no sistema de acompanhamento virtual da pasta, não era possível saber ontem a quantia que ela chegou a arrecadar.”

    Maria Bethania já foi estatizada! R$ 10,5 milhões em cinco anos? Dá uma boa grana por ano. É justo! Nos últimos cinco ou seis anos, a revolução que ela operou na MPB é fabulosa! Só se fala de outra coisa!

    Por Reinaldo Azevedo
    Agora esses BICUDOS do PSDB vão ficar mais alegres ainda.SAULO PAES/JUCATI

    ResponderExcluir
  9. É UM TRAQUE BARATINHO: CUSTA 1,3 MILHÃO.

    ResponderExcluir
  10. Gostaria de opinar um segundo aqui. Quem critica esse caso aqui não conhece leis de incentivo e nem como ela é aplicada. Vamos primeiro esclarecer que a renúncia fiscal não é 100%, funciona de 70/30 conforme escolha do patrocinador. Ou seja, ele arca com uma parte que não será nunca deduzido, é investimento, o resto é dedutível. Outra coisa é que embora haja isenção, é demagogia aferir que a renúncia deixa de construir hospitais e o escambal. Pura falácia. Mais provável é a empresa investidora sonegar o valor, a deduzi-lo. E por fim, vale ressaltar que o projeto todo PAGA IMPOSTO INTEGRAL, ou seja, o proponente (Bethania ou sua representante legal) ainda tem que pagar impostos sobre o orçamento total como qualquer outra empresa. Se o orçamento for de 2 milhões, ela pagará imposto sobre ele, do mesmo jeito e prestará contas caso não consiga justificar o orçamento final. Se querem uma discussão que vale a pena, discutam o valor de mercado aferido a ela; se o MINC deveria ou não aprovar projetos em que artistas consagrados orcem cachês milionários de mercado pra si em detrimento a um salário condizente com a classe artística em geral. Ou seja: se o MINC deveria aprovar pra Bethania um cachê de 600 mil reais, sendo que, se fosse um desconhecido esse cachê seria sumariamente negado como sendo um orçamento injustificável. Isso pra mim é algo que vale a pena discutir. Obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir